Delegação olímpica de canoagem destaca Minas como melhor local já visitado para treinos

Publicado em 13/02/2014, aqui

3308

Há muitos anos o esporte une o estado de Minas Gerais e o Reino Unido. Na Copa do Mundo da FIFA de 1950, a seleção da Inglaterra se hospedou em Nova Lima e protagonizou um jogo histórico no gramado do  Independência. No próximo dia 24 de junho, às 13h, a seleção inglesa volta ao solo mineiro para enfrentar a Costa Rica, no Mineirão, na segunda edição do Mundial no Brasil. E a parceria continua até pelo menos 2016. Nesta quinta-feira (13), a delegação olímpica de canoagem do Reino Unido não poupou elogios à dependência do Minas Náutico, em Nova Lima, escolhida pelos britânicos como sua base de treinamento nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Atualmente, Minas Gerais oferece a melhor estrutura para a prática de canoagem em relação a centros de treinamento da Europa, África e Austrália. Essa foi a constatação do diretor de performance da delegação olímpica do Reino Unido, John Anderson, em coletiva realizada nesta manhã, na Lagoa dos Ingleses, em Nova Lima, local onde o grupo se prepara para os Jogos Olímpicos Rio 2016. A delegação, formada por 23 profissionais, fica em Minas Gerais até o dia 23 de fevereiro. É formada por 11 membros da comissão técnica e 12 atletas, entre eles os medalhistas nas Olimpíadas de Londres, em 2012, Ed McKeever (ouro) e Liam Heath (bronze).

Minas Gerais saiu na frente e é o primeiro estado brasileiro a receber uma delegação olímpica para iniciar os treinos oficiais preparatórios para as Olimpíadas do Rio 2016.

Durante o encontro, organizado pela Secretaria de Estado de Turismo e Esportes (Setes) e pelo Minas Tênis Clube,  John Anderson destacou os diferenciais mineiros que fizeram com que o estado fosse o escolhido. Ele veio quatro vezes ao Brasil para analisar, junto com outros membros da equipe técnica, opções de infraestrutura em diferentes localidades e conta que, ao conhecer Belo Horizonte e as instalações do Minas Náutico, na Lagoa dos Ingleses, ficou impressionado com a cidade e com as instalações do Centro de Treinamento. “Depois de visitar Austrália, África do Sul e muitos países europeus, tive quase que imediatamente a certeza que era aqui que ficaríamos. É o melhor lugar visto nos últimos 20 anos”, relata.

Um dos primeiros critérios analisados pelo grupo foi a qualidade da água, que por aqui foi encontrada limpa e clara. O vento não muito forte e a temperatura amena encontrados na Lagoa dos Ingleses também foram outras características que atraíram os britânicos. “O lago é absolutamente perfeito e, com as outras visitas, fui me familiarizando com as pessoas e local”, relembra o diretor no processo de adaptação do espaço.

As condições climáticas encontradas em terras mineiras, explica Anderson, são favoráveis e otimizam os resultados nos trabalhos. “Como é inverno agora em meu país, precisamos sair para outros lugares para treinar. Antes, íamos para Austrália e África. Uma vez que escolhemos Nova Lima como base, pretendemos ficar nessa época no Brasil. Quando saí do Reino Unido a temperatura era de -3 graus, com vento e neve”, conta. Para felicidade dos ingleses, o clima tropical faz com que o ritmo de treino seja mais intenso e, por aqui, eles conseguem treinar 3 x por dia. “Lá não conseguiríamos realizar nem mal um treino completo. Aqui o ambiente ideal. É maravilhoso”, justifica o diretor sobre a decisão de ficar em Minas Gerais.

A infraestrutura da academia oferecida pelo Minas Tênis Clube, a comida e as acomodações  também motivaram a escolha por Minas Gerais. O medalhista Ed McKeever (ouro) reiterou os critérios para a escolha de Minas Gerais. Além da qualidade do lago e da infraestrutura, o atleta olímpico destaca a hospitalidade do povo mineiro como a principal referência encontrada. “As pessoas são amigáveis, acolhedoras e têm ótimo bom-humor”, comenta.

Ao pensar no legado a ser deixado por esses grandes eventos esportivos, o secretário de Estado de Turismo e Esportes (Setes), Tiago Lacerda, reforça que  “devemos aproveitá-los nesse processo de promoção internacional de Minas Gerais e consolidar uma ação continuada para mostrar ao mundo as nossas riquezas e capacidades, além de desenvolver políticas públicas de desenvolvimento dos nossos atletas”, afirma o secretário.

Para o secretário de Estado Adjunto de Turismo e Esportes, Rogério Romero, outro benefício está relacionado ao intercâmbio técnico-administrativo. “No caso da delegação de canoagem, a 3ª potência mundial, podemos aproveitar de sua expertise para agregar valor aos trabalhos desenvolvidos no estado”.

A previsão é que o grupo retorne a Minas Gerais em fevereiro de 2015, quando ficam por um mês. No ano seguinte, desembarcam novamente em terras mineiras em fevereiro, para ficar por igual período, e depois em junho, há duas semanas dos Jogos Olímpicos.

Acordo. Minas Gerais foi o primeiro estado do Brasil a assinar protocolo de intenções com um comitê olímpico estrangeiro para ser local de preparação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Em outubro de 2013, o governador Antonio Anastasia assinou, no Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, protocolo de intenções com a British Olympic Association (BOA) – Associação Olímpica Britânica – para que delegações de diversas modalidades olímpicas da Grã-Bretanha possam se preparar em Minas Gerais para os jogos em 2016.

O protocolo de intenções prevê a formação de um grupo de trabalho entre o Governo de Minas, a Prefeitura de Belo Horizonte e os Centros de Treinamento selecionados para prestar assessoria ao Comitê Olímpico Britânico enquanto estiverem em Minas Gerais. O acordo também prevê foco especial em áreas como esportes e atividades físicas, amplo legado social, incluindo educação, legado econômico e na área de ligações de educação e universidades, além de outras áreas nas quais os participantes possam trocar experiências.

A escolha das instalações esportivas do Minas Tênis Clube, do Centro de Treinamento Esportivo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Clube Mineiro de Caçadores (CMC) de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), como locais de preparação dos atletas britânicos foi fruto de uma série de negociações.

Canoagem em Minas. O estado tem hoje 200 competidores de canoagem, paracanoagem e rafting, que juntos, colocam o estado entre os cinco primeiros em número de atletas inscritos em provas dessa natureza.

Segundo o presidente da Federação Mineira de Canoagem, Helmer Nogueira, 50% dessa parcela se encontra nas cidades de Buritizeiro, Governador Valadares, Lavras, Muzambinho e Pirapora, polos celeireiros de grandes atletas. “Na atualidade temos cerca de oito canoístas entre  as melhores  colocações  nacionais de  descida como Alexandre  Toso , Willian Douglas , Pablo Gusmão, Zdzlaw Reis”, informa o presidente.

Do passado, o atleta que marcou história por aqui foi o argentino naturalizado brasileiro Sebastian Cuattrin.  Ele participou de  três  olimpíadas e Pan americanos e Sul americanos , chegando a conquistar, centenas de títulos. Hoje ele é treinador e diretor  da  canoagem e velocidade  nacional  e coordenador  da canoagem para  as Olimpíadas do Rio    2016. Considerado o maior canoísta do nosso país, ele começou a treinar em Governador Valadares quando tinha 13 anos.

Sobre o número de amantes desse esporte radical, que praticam a modalidade apenas por hobby, o presidente da federação diz que os números passam da casa dos mil.

Parte disso se explica por Minas Gerais ser considerada a caixa d’água do Brasil e possuir 8,3% de rios e lagos naturais e artificiais e 17 bacias hidrográficas federais. “Nossas águas são propícias e ideais.Oferecem todos os  níveis e classe de rios e mananciais como lagos e lagoas que favorecem inúmeras modalidades incluídas na canoagem. Provas de velocidade, de rodeio, futebol de caiaque, de descida, slalom,paracanoagem e canoa havaiana são algumas delas”, justifica Helmer sobre  importância de Minas no cenário esportivo de canoagem.

Para Helmer, a vinda da seleção britânica, uma das melhores do mundo, trará visibilidade internacional e poderá fazer com outras equipes se interessem pelos rios mineiros. Um convite para que diferentes nacionalidades conheçam outros espaços com grande característica de canoagem olímpica e com infraestrutura necessária para receber uma equipe internacional. Uma delas, sugerida pelo presidente é a Lagoa do Bispo, no Parque Estadual Dom Elvécio, situada entre os municípios de Timoteo, Dionísio e Marliéria. Trata-se da maior lagoa do Parque Estadual do Rio Doce com 700 hectares de espelho d’água, profundidade de 32 m e 6 km2 de área.

Leave a reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>