Monthly Archives março 2012

Medalhas brasileiras nos EUA

No mesmo Grand Prix de Indianápolis onde Adrian Nathan derrotava Michael Phelps nos 100m livre, nenhum brasileiro conseguiu medalha. No primeiro dia, aliás, apenas João de Lucca e Daynara de Paula conseguiram chegar às finais A.

Micah Lawrence em ação. Com 21 anos, pode surpreender.

Bons resultados de Dana Vollmer (100m borboleta), Michael Phelps e Ryan Lochte (100m borboleta, embora quase com os mesmos tempos, Lochte não pegou a final A) e Micah Lawrence (200m peito).

As medalhas brasileiras sairam em outra competição, na Universidade de Perdue. Atletas que não conseguiram se inscrever a tempo para o Grand Prix e acabaram indo para esta, que sim é mais fraca, mas também serve como preparação. Manuella Lyrio foi bronze nos 100m livre; Fernando Santos, ouro na versão masculina; Michelle Schimmdt, prata nos 200m peito; Diego Santos, bronze nos 200m peito; Marco Oliveira e Lucas Kanieski, dobradinha nos 400m livre; outra dobradinha nos 100m borboleta com Glauber Silva e Arthur Filho e Dandara Antonio e Yana Medeiros, prata e bronze nos 100m borboleta.

Glauber, Henrique Barbosa, Nicolas Oliveira e Guilherme Guido, na conquista do bronze do Mundial de 2010.

Estes estavam representando o Minas e Corinthians, então pode ter mais brasileiro medalhista com as cores de seus clubes e universidades americanas.

Siga os resultados de Perdue aqui e de Indy, aqui


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Mais um caso de doping

Agora foi um nadador indiano, mostrando que o doping não tem qualquer padrão. Surya Prasad Sharma foi punido com dois anos pela substância anabolizante stanozolol.

Fim, não achei nem foto do infeliz.

Doping: um problema mundial.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Cai recorde de algoz de Gustavo Borges

Ninguém aqui deve lembrar dele, mas Danyon Loader foi campeão olímpico nos 200m livre em Atlanta-1996, batendo Gustavo Borges, que ficou com a prata. Após uma eliminatória suada, Borges fez uma outra prova na final, pela raia 1. E talvez esta distância do neozelandês que o fez perder a prova, pois nos últimos 50m não estava vendo seu adversário.

Matthew Stanley conseguiu este feito e também levou os 400m livre. Como tem apenas 20 anos, é bom ficar de olho…

Vamos rever a prova de 1996?


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Doping: nadador tcheco é suspenso por dois anos

É Rubacek, a coisa está russa para o seu lado.

O recordista nacional tcheco nos 50 e 100m borboleta foi pego com a substância estimulante Methylhexanamine e está fora de Londres. Michal Rubacek, 25, já participou das duas últimas olimpíadas e testou positivo no último campeonato nacional, em Dezembro.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

A Seleção Francesa e o risco de Manadou

Depois dos ingleses, a França definiu sua seleção. Serão 29 (17 homens), onde as maiores esperanças são: Yannich Agnel, Camille Muffat e Camille Lacourt.

Já Laure Manadou está preocupada com uma possível punição da Federação Intenacional de Natação, pois esteve ausente em duas coletas de doping. A terceira ela está automaticamente suspensa e perde as olimpíadas.

França: não deve assustar ninguém. (AFP)

Homens:

  • Amaury Leveaux (50 m livre, 200 m livre, revezamento 4×200 m livre, revezamento 4×100 m livre)
  • Yannick Agnel (100 m livre, 200 m livre, revezamento 4×200 m livre, revezamento 4×100 m livre)
  • Camille Lacourt (100 m costas, revezamento 4×100 m medley)
  • Fabien Gilot (100 m livre, revezamento 4×100 m livre)
  • Florent Manaudou (50 m livre)
  • Alain Bernard (revezamento 4×100 m livre)
  • Jérémy Stravius (revezamento 4×200 m free)
  • William Meynard (revezamento 4×100 m livre)
  • Damien Joly (1500 m livre)
  • Anthony Pannier (1500 m livre)
  • Benjamin Stasiulis (100 m costas, 200 m costas, revezamento 4×100 m medley)
  • Lorys Bourelly (revezamento 4×200 m free)
  • Hugues Duboscq (revezamento 4×100 m medley)
  • Clément Lefert (revezamento 4×200 m livre, revezamento 4×100 m livre, revezamento 4×100 m medley)
  • Grégory Mallet (revezamento 4×200 m livre)
  • Giacomo Perez Dortona (revezamento 4×100 m medley)
  • Romain Sassot (revezamento 4×100 m medley)

Mulheres:

  • Laure Manaudou (100 m costas, 200 m costas, revezamento 4×100 m medley)
  • Camille Muffat (400 m livre, 200 m livre, revezamento 4×200 m livre)
  • Coralie Balmy (400 m livre, 800 m livre, revezamento 4×200 m livre)
  • Alexianne Castel (100 m costas, 200 m costas)
  • Laura Grangeon (400 m medley)
  • Anna Santamans (50 m livre)
  • Charlotte Bonnet (revezamento 4×200 m livre, revezamento 4×100  m medley)
  • Justine Bruno (revezamento 4×100 m medley)
  • Fanny Babou (revezamento 4×100 m medley)
  • Ophélie-Cyrielle Etienne (revezamento 4×200 m livre)
  • Margaux Farrell (revezamento 4×200 m libre)
  • Mylène Lazare (revezamento 4×200 m libre)

Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

O time australiano

Longe de ser a poderosa equipe de apenas 3 ciclos olímpicos atrás, quando em casa amealharam 18 medalhas, a seleção australiana ainda deve estar representada na maioria das finais, mas sua maior esperança chama-se James Magnussen.

Austrália: sem Thorpedo, mas com Míssil. (AFP)

O Time Australiano

Homens

  • 50m livre: James Magnussen, Eamon Sullivan
  • 100m livre: James Magnussen, James Roberts
  • 200m livre: Thomas Fraser-Holmes, Kenrick Monk
  • 400m livre: David McKeon, Ryan Napoleon
  • 100m costas: Hayden Stoeckel, Daniel Arnamnart
  • 200m costas: Mitch Larkin, Matson Lawson
  • 100m peito: Christian Sprenger, Brenton Rickard
  • 200m peito: Brenton Rickard, Jeremy Meyer
  • 100m borboleta: Chris Wright, Jayden Hadler
  • 200m borboleta: Nick D’Arcy, Chris Wright
  • 200m individual medley: Daniel Tranter, Jayden Hadler
  • 400m individual medley: Thomas Fraser-Holmes, Daniel Tranter
  • 4×100m livre: James Magnussen, James Roberts, Matt Targett, Eamon Sullivan, Cameron McEvoy, Tommaso D’Orsogna
  • 4×200m livre: Thomas Fraser-Holmes, Kenrick Monk, David McKeon, Ned McKendry, Ryan Napoleon, Cameron McEvoy
  • 4×100m medley : a decidir em Londres
  • maratona: Ky Hurst

Mulheres

  • 50m livre: Cate Campbell, Bronte Campbell
  • 100m livre: Melanie Schlanger, Cate Campbell
  • 200m livre: Bronte Barratt, Kylie Palmer
  • 400m livre: Kylie Palmer, Bronte Barratt
  • 800m livre: Kylie Palmer, Jessica Ashwood
  • 100m costas: Emily Seebohm, Belinda Hocking
  • 200m costas: Belinda Hocking, Meagen Nay
  • 100m peito: Leiston Pickett, Leisel Jones
  • 200m peito: Tessa Wallace, Sally Foster
  • 100m borboleta: Alicia Coutts, Jessicah Schipper
  • 200m borboleta: Jessicah Schipper, Samantha Hamill
  • 200m individual medley: Stephanie Rice, Alicia Coutts
  • 400m individual medley: Stephanie Rice, Blair Evans
  • 4×100m livre: Melanie Schlanger, Cate Campbell, Brittany Elmslie, Yolane Kukla, Libby Trickett, Alicia Coutts
  • 4×200m livre: Bronte Barratt, Kylie Palmer, Melanie Schlanger, Brittany Elmslie, Jade Neilsen, Angie Bainbridge
  • 4×100m medley : a decidir em Londres
  • maratona: Melissa Gorman

Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Seletiva francesa: campeão, não; campeã, sim

O caminho para o bi nos 50m livre ficou um pouco mais livre para o brasileiro Cesar Cielo, sem a presença dos franceses Alain Bernard (bronze em Pequim e ex-recordista mundial da prova) e Frédérick Bousquet (cujo recorde mundial Cielo bateu). Bernard também não irá defender seu título em Londres, ao ficar apenas em 4o. nos 100m livre, mas vai estar no forte revezamento 4×100.

Bousquet, Cielo e Bernard: o pódium do Mundial de 2009 não vai se repetir.

Quem teve mais sucesso nos seu retorno foi Laure Manadou. Sua história parece mais uma novela, daquelas complicadas: ouro em Atenas, namorava um nadador italiano que, depois de romperem, postou fotos não autorizadas, digamos assim. Luca Marin saiu com sua adversária, campeã olímpica na mesma prova 4 anos depois, Federica Pellegrini.  Foi expulsa do clube onde treinava (na Itália, para ficar mais próxima do seu namorado), pelo seu baixo comprometimento, e trocou inúmeras vezes de técnicos. Para finalizar (este capítulo?) ela teve uma filha com Bousquet.

Veja aqui uma coletânea de fotos sobre os retornos.

Os irmãos Manadou, mandando bem no estilo. (AFP)

O ex-companheiro de Cielo em Auburn e sua companheira, que teve na sua volta o ex-tecnico de Cielo, Brett Hawke, foram contratados pelo Pinheiros e vão competir o Maria Lenk. Ao contrário de Bousquet, Bernard criticou muito a decisão final sobre o caso do doping de Cielo. Um dos que tirou a vaga dos 50m livre foi o irmão mais novo de Laure: Florent.

Veja aqui as irmãs australianas que também garantiram sua vaga olímpica.

Marin, Pellegrini e Magnini. Ela descartou o ex de Manadou por outro italiano.

Meio confusa esta globalização na natação mundial, não?


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Os recordes da família cairam no Campeonato Sul-Americano

Foi um festival de recordes de campeonato. Nas 40 provas, apenas 9 sobreviveram (conincidência ou não, entre eles os 50 e 100m costas e 1.500m livre no feminino e masculino). Ano olimpico é assim mesmo, é quando os atletas vão ao esforço máximo (muitas vezes passam dos limites) e buscam suas melhores marcas.

O número 40 aparece também como número de recordes estabelecidos, o que pode parecer contraditório, mas é que na mesma prova o recorde foi abaixado nas eliminatórias e na final. E recordes são para ser batidos, certo? Bem, claro que certo, mas quando é o seu recorde, da sua prova, também não dá para negar que uma ponta de tristeza bate…

Já me diverti muito com a natação. (Satiro Sodré)

Pois é, estava eu e minha esposa, a também ex-nadadora Patricia Comini, assistindo as finais dos 200m peito quando ela lembrou: “Acho que este recorde ainda é meu…”. E era! De Mar del Plata – 2.000. Vimos a argentina abaixar sua marca de mais de 10 anos. Quando me dei conta: “Será que tinha o recorde dos 200m costas também?”. E tinha, também de 2.000!  Por meros centésimos o colombiano Omar Pinzón tirou meu nome do livro dos recordes do campeonato sul-americano.

Beatriz e sua flutuação.

Pois bem, fiquei invicto por 10 edições deste campeonato, tendo estabelecido nova marca logo no meu primeiro juvenil (1987) e depois também no absoluto (1988). Foram 25 anos – teve bom, não? Na verdade, queria ver um brasileiro (pô, Thiago…) ao menos, para mantermos a hegemonia continental, mas a vida continua e Beatriz e Laura Comini Romero vem aí…

Ah, o recorde do meu concunhado, Luiz Lima, permaneceu nos 1500m livre. De que ano? 2.000!

Laura, tentando flutuar.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Os velozes James australianos

E o missil falhou por pouco. James Magnussen queria o recorde mundial do brasileiro Cesar Cielo, mas não conseguiu nem o recorde australiano em sua missão, pela seletiva olímpica. Isso não quer dizer que foi um fracasso, muito pelo contrário! O tempo que o recordista nacional, Eamon Sulivan, quarto na seletiva, fez foi com os maiôs tecnológicos. Os 47s e pouquinho que Magnussen nadou são, de longe, a melhor marca sem aquela ajudinha.

O Missil Magnussen mostra sua força. (Getty Images)

Os tempos obtidos por Magnussen e seu xará Roberts, colocam a Austrália no topo do mundo nos 100m livre e o seu revezamento 4×100m como a equipe a ser batida (só Phelps aparece entre os australianos nas sete melhores posições em 2012!).

Londres 2012 promete…

Como se não bastasse um James, eis que Roberts, também 20, surge.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Enquanto isso, do outro lado do mundo…

O polêmico investimento de quase 160 mil dólares para a preparação de Ian Thorpe, bancada pela Federação Australiana, continua sendo notícia. O astro acabou ficando fora, mas sua melhor marca ficou a menos de 1,5s da vaga olímpica, o que significa que era sim possível. Sobre este assunto, Fernando Scherer, o Xuxa, escreveu um interessante artigo: por que ele não parou no topo?

Jones, 26, a caminho de sua quarta olimpíada. (Gallo Images)

O destaque do dia na seletiva australiana foi Leisel Jones, ao conquistar uma inédita quarta participação olímpica nos 100m peito. As nadadoras de costas, Emily Seebohm e Belinda Hocking nadaram para as melhores marcas da temporada.

Olho hoje que cai n’água James Magnussen, provável adversário de Cielo nos 100m livre em Londres.

Já na Holanda, Ranomi Kromowidjojo mandou a segunda marca do ano nos 50m livre.

E, voltando ao Brasil, seja feita justiça. No sul-americano, ao menos mais duas menções honrosas para as participações de Thiago Pereira (200m medley) e Joanna Maranhão (400m medley).

Kromowidjojo em vídeo promocional:


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo