Monthly Archives junho 2012

Como construir uma piscina olímpica em menos de duas semanas

Mais uma prova do show da Seletiva Americana. Esta piscina pode ser montada em quase todo lugar, inclusive uma semi-olímpica foi construída em plena praia de Copacabana em 1995, por ocasião do 2o. Campeonato Mundial de Piscina Curta.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Summer Sanders: vestida para Lochte

Summer Sanders, campeã olímpica em 1992, é hoje comentarista (entre diversas outras atividades), mas mostrou que só tem olhos para um atleta hoje na seletiva americana.

Sanders: o verão de Lochte. (Twitter)


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Seletiva Americana: Recorde americano para Allison Schmitt

Sem duelo hoje. Lochte nadou a semi dos 100m livre (depois decidiu não nadar a final) e Phelps garantiu sua 11a. vitória em seletiva nos 200m borboleta, com o melhor tempo do ano.

Shmitt: a companheira de Phelps ainda pode melhorar sua saída. (Zimbo)

Allison Schmitt brilhou ao estabelecer novo recorde americano (melhor marca sem maiôs tecnológicos), nos 200m livre. Ela treina com o mesmo técnico de Phelps, Bob Bowman.

Curiosidade: Phelps e Lochte não nadando a final dos 100m livre não quer dizer que não poderão estar no revezamento 4×100m livre em Londres (e com uma grande possibilidade de medalha garantida).

Enquanto isso, o salvador de Phelps 4 anos atrás (garantiu o ouro no revezmento), Jason Lezak, agradece Lochte por ter saído da final (ele estava com o nono tempo).


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Seletiva americana: Grevers a 14 centésimos do recorde mundial

Os costistas foram a atração à parte do duelo Phelps & Lochte nesta noite. Em 20 minutos, Missy Franklin nadou a semi nos 200m livre e depois bateu o recorde americano nos 100m costas com um tempo que a colocou como grande favorita para Londres. A antiga recordista, Coughlin, não vai poder defender seus dois títulos anteriores, pois acabou em terceira: “É tempo para Missy e Bootsma“, disse graciosamente após a prova. Sua última chance de aumentar sua (grande) coleção de medalhas olímpicas é nos 100m livre.

Matt Grevers: depois de surpreender a namorada, quer a ouro olímpico. (Zimbo)

Depois, Matt Grevers fez a segunda melhor marca do mundo, mas não bateu nem o recorde de seu país, pois o recordista mundial é o americano Aaron Peirsol. Ele vai tentar manter a hegemonia americana na prova que vem de 1996.

Nos 100m peito, as duas representantes olímpicas fizeram as duas melhores marcas do ano. Breeja Larson acabou vencendo a favorita Rebecca Soni, mas como o que importa aqui é ficar em primeiro ou segundo, sem stress para Soni.

Breeja: uma universitária no meio das colegiais. (Zimbo)

12.671 pessoas para acompanhar. No placar de finais, 1×1. Os tempos não foram bem o que todo mundo aguardava, mas o resultado final dos 200m livre foi Phelps-Lochte, com a emoção de 5 centésimos separando ambos. Mesmo não conseguindo ver esta prova, acredito que a final olímpica daqui um mês terá os dois, mas será um pouco diferente, com ambos nadando mais rápido.

Foto de um dos 12 mil espectadores, na piscina feita em 8 dias! (Twitter)


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Seletiva americana: Vollmer atrás do recorde mundial, Lochte x Phelps 2

Dana Vollmer começou a noite perseguindo o recorde mundial dos 100m borboleta até os 15m finais. Aliás, esta deve ser a seletiva americana mais fraca de recordes globais, considerando a mudança das regras e a proibição dos trajes tecnológicos.

Mas quem quer saber de Vollmer, quando se tem Phelps e Lochte novamente na piscina? E não importa se é semi-final, os dois não gostam de perder e estão acima dos demais. Apenas 2 centésimos de segundo deram mais uma vitória (que não vale nada, é verdade) para Lochte. Este já diminui sua carga de provas para 8 (deve nadar 6) e saiu dos 100m costas após as eliminatórias.

Poderemos ver esta cena em Londres também. (Zimbo)

Brendan Hansen vai reecontrar com seu algoz Kosuke Kitajima, que estava presenta na arquibancada (entre os mais de 10.000 espectadores), nos 100m peito. Kitajima tenta o tri, assim como Natalie Coughlin, que hoje disputou a final dos 100m borboleta, poderá ganhar a chance nos 100m costas na final de amanhã. Sua grande experiência contra as novatas sedentas de olimpíadas. Vai ser difícil ficar entre as duas melhores americanas…


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Primeira prova da seletiva americana: Lochte humilha Phelps

Foi uma estreia de gala. Já no primeiro dia da seletiva americana, os dois maiores astros mundiais da piscina garantiram sua vaga olímpica. Os 400m medley já poderiam ser outro recorde para Phelps: 10 vitórias em seletiva, mas o mesmo número 10 – desta vez de confrontos com Ryan Lochte – teve a primeira vitória deste. E não foi uma vitória qualquer, Lochte mostrou sua superioridade e também que a seletiva não é lugar para tempos, e sim para garantir a vaga.

Veja a prova aqui, e comprove os últimos 5m e a diferença de cansaço dos atletas:

Na versão feminina, Elizabeth Beisel abaixou um pouquinho (4 centésimos para ser mais exato) da sua vitória no Mundial, que vem a ser a melhor marca sem os trajes.

Na semi dos 100m borboleta, recorde americano para Dana Vollmer. A semi dos 100m peito dão ainda mais esperança para Felipe França no pódium.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Doping no Brasil: nadador olímpico e mais duas

Notícia triste para a natação brasileira: saiu na imprensa hoje que 3 atletas foram pegos no exame antidoping, entre eles um da seleção nacional olímpica.

Glauber: saiu do céu para um inferno astral.

Glauber Silva havia garantido sua vaga na última seletiva e teve ainda que aguentar a morte do seu pai ontem. Seu clube, o Minas, já teve outra atleta olímpica envolvida com doping, Fabíola Molina.

Flávia Delaroli, do Pinheiros, esteve em duas olimpíadas e havia anunciado que estava pendurando o maiô após não conseguir sua 3a. vaga olímpica.

Pâmela Silva, do Corinthians, teve um dos seus resultados mais expressivos no último campeonato brasileiro, quando sagrou-se campeã nos 200m peito.

Independente do resultado do painel que vai se reunir na próxima terça, das justificativas dos nadadores, técnicos e médicos, seus nomes já estão manchados.

Não por acaso, venho divulgando todos os casos neste espaço. Talvez a informação não chegue devidamente aos atletas e tampouco a punição exemplar aos demais envolvidos. Mesmo a CBDA criando uma diretoria para o assunto, com  cartilhas do COB, a dissiminação ainda é pequena e seu dissernimento ainda menor.

Cielo sofreu muito durante seu processo.

Acredito que, com a vitória do sediamento olímpico, este problema deveria ser tratado com a devida atenção no Brasil. Aqueles que almejam nadar na piscina olímpica do Rio daqui a 4 anos podem ser alvo fácil para as tentações que existem, afinal o doping é apenas mais uma forma de se drogar – quem conhece os benefícios (sem considerar o dano à saúde), tem dificuldades de sair.

Enquanto a sociedade discute em profundidade o crack, o doping avança lentamente e leva os sonhos de jovens atletas a uma carreira marcada pela desonestidade – mesmo que esta não seja a verdade. O descuido existe, assim como ocorreu com Fabíola e Cielo, por exemplo.

Você sabia o que estava tomando, Lance?

Recentemente até as incríveis façanhas de Lance Armstrong na Volta da França foram colocadas à prova (novamente) e os casos deste ano na natação mundial foram da Argentina para a China, passando até pela Índia, que não tem tradição alguma no esporte.

Fica aqui o alerta: cuidado com a suplementação galera!


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Seletiva americana: Lochte inscrito em 11 das 13 provas possíveis

Liberada a lista de inscrições da seletiva americana, já começaram os comentários sobre o tanto de provas que os dois  atletas mais completos do mundo estão. Phelps está em 7, enquanto Ryan Lochte em 11 das 13 possíveis (apenas não se inscreveu nos 200m peito e nos 1500m livre). Entre eles Elizabeth Beisel (9) e completam a lista dos “fominhas”: Tyler Clary, Peter Vanderkaay, Jasmine Tosky (6) e Missy Franklin, Natalie Coughlin, Allison Schmitt e Dana Vollmer (5).

Mas, Lochte vai tentar classificar-se em todas estas provas? Claro que não! Não acredito, por exemplo, nos 100m peito, nem nos 50m livre. A tática talvez seja apenas para intimidar os demais adversários.

E já na primeira prova, os 400m medley masculino, várias possibilidades:

  1. Será o primeiro combate entre os dois?
  2. Alguém pode ficar entre eles (improvável)?
  3. Phelps vai priorizar esta prova para ser o primeiro tri-olímpico (antes de Kitajima)?
  4. Vão nadar realmente as 120 pessoas inscritas? Isso siginificaria 12 séries de 10 por uma média (boa) de 6:00 e teremos mais de uma hora apenas na primeira eliminatória!

Pois bem, começa na segunda. Para aquecer um pouco, abaixo a homenagem do patrocinador do evento em seu prédio de 14 andares:


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Recorde em Roma para Thiago Pereira

Após um 400m medley fora do pódium ontem, Thiago Pereira venceu com recorde de campeonato nos 200m medley no Torneio SetteColli, em Roma.

Thiago: último teste antes de Londres.

Além dele, Leonardo de Deus foi bronze nos 200m costas, prova que também foi vencida com recorde de campeonato, pelo japonês Ryosuke Irie, que agora tem as 4 melhores marcas do ano nesta prova.

Depois de ganhar o ouro nos 50m livre pela menor margem possível (um centésimo), Cesar Cielo decepcionou ao ficar fora da final dos 100m livre. Nada preocupante, uma vez que o objetivo está a pouco mais de 40 dias de Londres, mas ele deve ficar atento às eliminatórias, pois seu tempo na final B ganharia a final (outro que vacilou de manhã também acabou vencendo-o).


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo

Londres 2012: primeira baixa no time da casa

O peitista britânico Daniel Sliwinski decidiu fazer uma cirurgia no tendão do ombro e, portanto, não representar seu país em casa. Ele deve ficar 3 meses recuperando, mas já fala nas próximas olimpíadas no Rio:

É o pior pesadelo para qualquer atleta, mas ainda sou jovem suficienta para pensar em Rio2016“, disse o nadador de 22 anos. Antes do ombro, ele já quebrou dois punhos e operou o joelho.

Sliwinski, 22, mas com grande histórico médico.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo