Categoria Competição

200m costas masculino

Publicado aqui

Jogos Pan-Americanos – Lima 2019 – Natação – 200m costas masculino

Calendário e resultados

De acordo com o calendário oficial dos Jogos Pan-Americanos, as competições de natação em Lima 2019 acontecerão entre os dias 6 e 10 de agosto.

Chances do Brasil

Apesar de correr por fora em relação aos rivais diretos e ter melhores desempenhos em outras provas, o jovem Brandonn Almeida, do Corinthians, pode surpreender na capital peruana. Na temporada, ele registra a segunda melhor marca brasileira da categoria no ranking mundial, atrás apenas de Leonardo de Deus, que não foi convocado para o Pan. Aos 22 anos, o nadador paulista deve flertar com a possibilidade de pódio.

Local da competição

centro-aquático-videna-1024x588

Centro Aquático Pan-Americano
Local: Videna – Vila Deportiva Nacional (Lima)
Capacidade: 4.000 torcedores

A estrela dos Jogos

Rogério Romero é o grande destaque dos 200m nado costas dos Jogos Pan-Americanos. O brasileiro foi o primeiro a conquistar dois títulos na competição (Havana 1991 e Santo Domingo 2003), além de ter faturado a medalha de bronze em Mar del Plata 1995. O retrospecto positivo na carreira não para por aí. Romero também garantiu o feito de participar de cinco Olimpíadas e disputar quatro finais da categoria.

Nossos pódios

Entre 2007 e 2011, Thiago Pereira igualou o feito do compatriota, mas foi o único até aqui a levar dois ouros consecutivos para casa na história do evento. Em Winnipeg 1999, Leonardo Costa voltou do Canadá também com a primeira colocação geral. Djan Madruga (bronze em 1979), Ricardo Prado (prata em 1983 e 1987), Lucas Salatta (bronze em 2007) e Leonardo de Deus (bronze em 2015) completam a lista vitoriosa do Brasil.

Medalhistas

ANO Medalha de ouro TEMPO Medalha de prata TEMPO Medalha de bronze TEMPO
1967 Ralph Hutton
Canada Canadá
2:12.55 Charlie Hickcox
United States EUA
2:13.05 Charles Goettsche
United States EUA
2:15.94
1971 Charlie Campbell
United States EUA
2:07.09 Tim McKee
United States EUA
2:07.87 John Hawes
Canada Canadá
2:14.72
1975 Dan Harrigan
United States EUA
2:06.69 Mike Scarth
Canada Canadá
2:09.20 Bob Jackson
United States EUA
2:10.18
1979 Peter Rocca
United States EUA
2:00.98 Jesse Vassallo
United States EUA
2:02.07 Djan Madruga
Brazil Brasil
2:04.74
1983 Rick Carey
United States EUA
1:59.34 Ricardo Prado
Brazil Brasil
2:02.85 Mike West
Canada Canadá
2:03.11
1987 Mike O’Brien
United States EUA
2:02.29 Ricardo Prado
Brazil Brasil
2:03.75 Raymond Brown
Canada Canadá
2:04.28
1991 Rogério Romero
Brazil Brasil
2:01.07 Dan Veatch
United States EUA
2:01.14 Manuel Guzmán
Puerto Rico Porto Rico
2:01.68
1995 Brad Bridgewater
United States EUA
2:00.79 Rodolfo Falcón
Cuba Cuba
2:00.98 Rogério Romero
Brazil Brasil
2:01.13
1999 Leonardo Costa
Brazil Brasil
1:59.33 Aaron Peirsol
United States EUA
1:59.77 Dan Shevchik
United States EUA
2:00.27
2003 Rogério Romero
Brazil Brasil
1:59.92 Luke Wagner
United States EUA
2:00.74 Joey Faltraco
United States EUA
2:01.31
2007 Thiago Pereira
Brazil Brasil
1:58.42 Scott Clary
United States EUA
1:59.24 Lucas Salatta
Brazil Brasil
1:59.51
2011 Thiago Pereira
Brazil Brasil
1:57.19 Omar Pinzón
Colombia Colômbia
1:58.31 Ryan Murphy
United States EUA
1:58.50
2015 Sean Lehane
United States EUA
1:57.47 Carter Griffin
United States EUA
1:58.18 Leonardo de Deus
Brazil Brasil
1:58.27

Quadro de medalhas

Posição País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1 United States EUA 7 8 5 20
2 Brazil Brasil 5 2 4 11
3 Canada Canadá 1 1 3 5
4 Colombia Colômbia 0 1 0 1
  Cuba Cuba 0 1 0 1
6 Puerto Rico Porto Rico 0 0 1 1

O esporte

Nesta prova, os competidores devem se alinhar dentro da água, mantendo-se de frente para a cabeceira de saída, com as duas mãos colocadas nos suportes de agarre do bloco de saída. Os pés podem ficar acima do nível da água.  No sinal de partida, o nadador impulsiona seu corpo para trás, tentando obter o maior avance possível. Ao atleta, é permitido ficar completamente submerso após a saída e em virada por uma distância de até 15 metros. Até esta marca, a cabeça do competidor deverá retornar a superfície. O nadador deverá percorrer toda a distância que determina a prova no menor tempo possível. Na virada, os ombros podem girar além da vertical na direção do peito e, a seguir, uma contínua braçada ou uma contínua e simultânea dupla braçada podem ser usadas para iniciar o movimento. Assim que o nadador tocar a parede e a deixá-la na virada, deve voltar imediatamente na posição de costas. No final da prova, o nadador toca com a ponta dos dedos, na posição de costas, o painel de pontuação ou a parede.

Leia o texto completo

Etapa nacional dos Jubs reunirá mais de 3 mil atletas

Publicado aqui, em 17/06/2019

Salvador e Lauro de Freitas, na região metropolitana (RMS), vão sediar a fase final dos Jogos Universitários Brasileiros (Jubs), entre os dias 20 e 27 de outubro deste ano. Considerado o maior evento da América Latina, esse festival de esportes foi lançado nesta segunda-feira, 17, no Grand Hotel Stella Maris, com a presença de atletas, dirigentes esportivos e representantes do governo do estado.

De acordo com o secretário estadual Davidson Magalhães, titular da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), o Jubs marcará a confirmação da Bahia na agenda dos grandes eventos esportivos interrompendo uma lacuna de 51 anos fora do estado.

“Nós tivemos aqui jogos da Copa do Mundo, agora a Copa América, Olimpíadas. O Jubs vem a fortalecer isso. Serão três mil atletas disputando 14 modalidades, representando 26 estados e o DF”, pontuou o secretário, referindo à competição com tradição de 78 anos de história e que costuma revelar grandes talentos.

“No judô, tirando Rafaela Silva (ouro na Rio-2016), que veio de uma comunidade do Rio, todos os outros medalhistas passaram pelos esportes universitários. Temos Rogério Sampaio, Aurélio Miguel, Douglas Vieira, Flávio Canto”, resgatou Luciano Cabral, presidente da Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU), sediada em Brasília.

Ele lembrou ainda de nomes da natação como Xuxa, Rogério Romero e Gustavo Borges. Além de metade do time de voleibol campeão olímpico masculino na Rio-2016 como exemplos de atletas que passaram necessariamente pelo Jubs. No momento, as referências são as jogadoras Debinha e a goleira Bárbara, que defendem o Brasil no Mundial de Futebol Feminino.

As duas jogadoras participaram do Universíade, que vem a ser os Jogos Mundiais Universitários cuja seletiva é o próprio Jubs. “Nós somos tricampeões mundiais no futebol feminino no Universíade. Esses títulos a gente tem bastante carinho porque o futebol feminino vem tentando se desenvolver no Brasil e o esporte universitário abraçou essa causa faz muito tempo”, destacou Cabral.

Este ano, o Unirsíade será realizado na Itália, no mês de julho, tendo como seletiva o Jubs. Para o Universíade, o Brasil contará com uma delegação formada por 180 pessoas, segundo antecipou o presidente da CBDU. Ele lembroui que a fase final do Jubs deveria chegar a 15 modalidade, se o atletismo não tivesse ficado de fora devido à falta de pista em condições adequadas de competição.

“Em alguns momentos que gente passou por aqui havia uma deficiência de piscina, agora já tem. Alguns ginásios precisavam ser melhorados. Agora tem o de Cajazeiras que recebeu os Jogos do NBB. A Bahia está em um processo de desenvolvimento, mas carece ainda de uma pista de atletismo. Por isso, não teremos essa modalidade”, explicou Cabral.

O programa da CBDU reúne 36 modalidades esportiva, mas apenas 15 entram para o Jubs. O elenco completo de modalidades é disputado nas seletivas estaduais pelo país ou de forma independente durante a temporada. Excepcionalmente, por ter ficado de fora devido a falta de equipamento, o atletismo deverá acontecer em setembro, em outra cidade.

Segundo as estatísticas divulgadas pela CBDU, cerca de 80 mil universitários brasileiros disputam as fases estaduais e regionais. Apenas três mil deles se classificam para o Jubs, como está previsto para a final programada para a Bahia em 2019.

“Nos jogos da Rio-2016, 53% das medalhas que o Brasil conquistou foram atletas que passaram por esse jogos universitários. Então, estamos falando de atletas diferenciados, formação superior, nível crítico apurado e nível de conhecimento maior”, referendou o presidente da CBDU.

Modelo olímpico

O formato da competição e espaço de convivência são nos moldes de uma olimpíada. Para Salvador, a ideia é acomodar os 3 mil atletas em locais os mais próximo possível do outro e criar em um dos hotéis de porte maior um espaço de convivência. “Não se constrói uma ‘vila olímpica’, mas a gente monta uma estrutura que é o centro de convivência onde tem o boulevard dos atletas. Eles fazem as refeições, encontro e ações participando de algumas ações que a gente coloca dentro do boulevard”, afirmou Cabral.

Simon Vasconcellos, presidente da Federação Universitária Baiana de Esportes (FUBE), calcula receber no período dos jogos atletas representantes de 50 instituições de ensino do país. Um dos destaques e favorito ao título, segundo ele, representa o judô. “O judoca baiano Diego Santos é um dos candidatos da Bahia à conquista de medalha. O nosso futsal é fortíssimo. Também vamos bem no basquete, vôlei e handebol. Dá para pensar em medalhas”, garantiu.

Juba

Como explicou os organizadores do evento, a etapa nacional dos JUBs é antecedida pelas seletivas estaduais – Jogos Universitários da Bahia (Juba). A responsável é Fube, em parceria o Governo do Estado. Este ano, a etapa estadual acontecerá de 14 a 18 de agosto, com provas também disputadas em equipamentos esportivos de Salvador e Lauro de Freitas.

Neste ano, o Juba será realizado como evento teste da etapa nacional, servindo para avaliar e testar parte importante da operação e logística que serão implantadas para atender ao JUBs em outubro.

Leia o texto completo

Mister Pan

Atletas são movidos a desafios, metas cada vez mais audaciosas. Quem diria que um dia, com a competição cada vez mais globalizada e sem o domínio absoluto da época de Spitz, alguém bateria o absurdo recorde de ouros olímpicos em uma edição?

Fato é, Michael Phelps mudou a lógica da especialização da natação e, com o sucesso dele, vieram Ryan Lochte, Kosuke Hagino e, para ficar apenas nestes famosos, a dama de ferro Katinka Hosszu. Esta, aliás, colocou toda teoria de recuperação demorada e resultados em poucas competições no ano abaixo.

E ai temos Thiago Pereira. No mesmo patamar mundial nas provas de medley (requisito quase básico para esta grande verstilidade), Mr Pan confirmou a expectativa e tornou-se o maior medalhista da história dos Jogos Pan-americanos. Assim como em 2012 com Phelps, desbancou a ginástica do topo (embora o cubano ainda permaneça com o recorde de ouros). Sem dúvida, um feito e tanto!

Mas o script não saiu como ele queria. Primeiro o drama de ser desclassificado na prova da sua medalha olímpica, os 400m medley. Depois perder os 200m peito e, por fim, o tri dos 200m medley. Não dá para reclamar (muito). Na primeira, concretiza a promessa de renovação nas provas de fundo, com o recorde mundial júnior de Brandonn Almeida. Segundo, o nado peito foi sua primeira grande frustração, lá atrás em Santo Domingo. Hoje, mas maduro, ele absorveu bem melhor. Por fim, como reclamar que perdeu do terceiro melhor tempo do mundo de Henrique Rodrigues, com a quarta marca do ano?

Thiago foi, Dona Rose.

Que venha Rio 2016!!

Piu-e-Thiago-TB03-435x650

PS1: Etiene, sou seu fã!

PS2: Parabéns à delegação como um todo!!

Leia o texto completo

Quebrando barreiras

Sem dúvidas, hoje foi um dia muito especial para a natação brasileira. Ouvir o hino nacional por 3 vezes em uma mesma tarde durante as cerimônias de um campeonato mundial, definitivamente é para comemorar, tanto que até o JN mencionou o feito. Digo mencionou porque uma vaga para as quartas daquele esporte que é o mais discutido neste país teria mais espaço, com reportagem ao vivo nos caríssimos links diretos.

No portal UOL, pouco mais de 6 horas da façanha, não havia mais nenhuma chamada sobre as medalhas brasileiras em Doha, Qatar. As manchetes “esportivas” iam de: Federer vai se mudar para uma nova casa até Dirigente tenta vender nome do Itaquerão.

1522896_951330521562738_6290699819404656608_o

Quarteto fantástico II. (Crédito Satiro Sodré/SSPRESS)

Felipe Lima (3 ouros), Nicholas dos Santos (2 ouros), Cesar Cielo, Guilherme Guido, Etiene Medeiros (quase outro recorde mundial!!) e Larissa Oliveira tem sim que comemorar.

Agora… pessoalmente o que mais me impressionou foram os resultados de ontem pela espanhola Mireia Belmonte. Além de derreter a Dama de Ferro, a húngara Katinka Hosszu, foi a primeira a abaixar das barreiras de 4m20s nos 400m medley e dos 2m nos 200 borboleta. Animal!

Impressionante estes tempos. Fico imaginando daqui a dois anos no Rio de Janeiro…

1417653797_extras_mosaico_noticia_1_g_0

Enquanto isso, no país que teve as Olimpíadas há 22 anos…

 

Leia o texto completo

Corinthians vence após quase meio século

Não, o Timão não demorou 48 anos para ganhar do Flamengo. Falo do Troféu Brasil de Natação, hoje mais conhecido como Maria Lenk. O Corinthians venceu com autoridade, com 2.875,5 pontos, quase mil (!!) à frente do Minas e Pinheiros. A diferença foi basicamente no feminino, com suas duas grandes contratações: Katinka Hosszu (420 pontos!) e Jeanette Ottesen, tanto que disputa mesmo ficou no masculino, com a equipe mineira levando a melhor.

maria-lenk_24-04_notícia_gnd

Corinthians: foto comportada da equipe campeã (crédito: Satiro Sodré)

O campeonato começou com a polêmica do Pinheiros entrando na justiça contra a participação dos estrangeiros. O clube paulista, que já fez várias destas contratações no passado, teve seu pedido indeferido. Mas afinal, o que é nadar com 100% dos atletas brasileiros? A competição não fica com índice técnico melhor? Temos duas reações: uma com atleta reclamando da competição “desleal” e outros animados com a presença e não se intimidando, falando até em vencer em futuro próximo. Ainda temos a maior visibilidade para o esporte. Com campeãs mundiais e vários top 10 durante o Troféu Maria Lenk (grande maioria graças a brasileiros, diga-se de passagem), acredito que tenha mais benefícios. Detalhe: a melhor performance feminina brasileira, Graciele Hermann e seu recorde sul-americano nos 50m livre, ficou atrás de 13 provas das estrangeiras.

1907295_750001171688591_3491060443814659490_n

Super revezamento do Pinheiros, com atletas que treinam… pelo mundo. (crédito: Satiro Sodré)

Esta polêmica à parte, a outra se concretizou com apenas 9 clubes subindo ao pódio (com dois apenas uma única vez). Finais B com poucos atletas (algumas sendo até canceladas) na longa competição mostraram que o TML é realmente para poucos. A concentração me poucos clubes competitivos também pode trazer discussões acaloradas. Nada mais justo nadadores e técnicos buscarem a melhor estrutura para o seu desenvolvimento, mas e a formação? Será que não estamos matando a galinha dos ovos de ouro, os clubes do interior e sua capilaridade única, que pode dar oportunidade aos talentos espalhados pelo Brasil?

A grana que está indo para a Confederação Brasileira de Clubes poderia ir, em parte, para isso? A CBDA poderia criar algum programa de estímulo, premiando aqueles que mais formam e chegam à seleção adulta (evitando assim o overtraining dos infantis)? Estes técnicos estão recebendo capacitações e oportunidades para seu desenvolvimento? Seus clubes tem as condições mínimas de treinamento adequado? Bem, alternativas para o atual modelo existem, então algo pode ser feito.

Trofeu Maria Lenk, Natacao

Santana e Cielo: de olho em 2016.

Os resultados da competição em si foram excelentes. O ápice foram os dois recordes mundiais júnior de Matheus Santana, do Unisanta, nos 100m livre. A prova, já tradicionalmente sendo bem representada pelo Brasil, deu esperança de um revezamento que vai disputar medalha em 2016.

O outro recorde brasileiro veio com Leonardo de Deus, nos 400m livre, em 3:50.90.

gracielehermann-satirosodre

Greciele, ou GraSienna: quanto mais estrangeira, melhor.

 

Leia o texto completo

Nadadores: mais é melhor?

Muitos já sabem da minha admiração pela natação japonesa. A equipe teve um desempenho muito bom em Londres, mas foi ofuscada pela frieza do quadro de medalhas. Além das 11 medalhas olímpicas, muitas finais significam um time forte.

Mês passado, o Japão mostrou porque está neste atual estágio. Ao contrário da situação precária dos nossos campeonatos , com poucos clubes e atletas, a 36a. edição do XXX teve impressionantes 884 clubes com quase 3.600 atletas. Não é difícil de imaginar que alguns resultados surjam com esta massa de nadadores. E com a confirmação de Tóquio 2020, a tendência é isso melhorar ainda mais. Um resumão com os melhores resultados pode ser encontrado aqui.

wp_pc_plusk_1920x1080-968x544

Meses especiais para a natação japonesa, mas não para o bicampeão olímpico.

Logo depois, tiveram a seletiva nacional para vários torneios internacionais, entre os quais o Pan Pacífico, e simplesmente mudaram o ranking mundial deste ano. Arrisco dizer que não teve ter nenhuma prova hoje sem ao menos um japonês entre os 10 melhores de 2014 (quem tiver mais tempo para pesquisa, depois comenta, OK?). Destaque para o recorde asiático nos 50m livre para Shinri Shioura e seu 21.88. Phelps, além de Ryan Lochte, deve encontrar em Kosuke Hagino um adversário de peso.

Em contraponto, estes últimos dias o Blog do Coach preparou um estudo sobre a participação em um dos nossos principais campeonatos. Num primeiro retrato, a estatística dava  menos atletas a cada edição nos últimos 4 anos, mas depois pegou o hiato de 15 anos e vemos que, com uma média de 366 atletas, os 342 deste ano não fogem muito ao padrão. Mas o pior é a concentração destes nadadores em poucos clubes (5), as várias agremiações (19) com apenas um atleta e a decadência da cidade olímpica na modalidade com melancólicos 17 atletas de 3 clubes.

 

Leia o texto completo

E o Missil falhou de novo

Ninguém pode negar que ele é hoje o velocista mais regular do mundo. Com 18 marcas na casa dos 47s, James Magnussen já tinha chegado a Londres em 2012 com uma credencial impressionante, a melhor marca sem os trajes tecnológicos: 47.10. Como ainda na natação quem ganha é quem chega na frente, ele amargou uma prata por apenas um centésimo do americano Nathan Adrian.

art-swimmers-620x349

McEvoy, desfocado ao lado de Magnussen e Sullivan, que é o mais rápido deste ano nos 50m livre. (ABC)

2014 parecia ser a redenção do australiano. Iniciou o ano com performances arrasadoras e parecia estar absoluto para mais uma vitória no campeonato nacional. Parecia… Como ainda na natação quem ganha é quem chega na frente, ele amargou mais uma prata. Desta vez para o jovem mais rápido da história: Cameron McEvoy e seu 47.65.

Vamos às teorias:
1. Ele pipoca. Simples assim. Tempos rápidos em torneios com pouco expressão, mas na hora que o bicho pega, ele não absorve bem a pressão;
2. Ele guardou o melhor para as competições internacionais. Seus tempos foram tão bons na temporada, que ele relaxou e passou por cima do campeonato nacional, crente que seria convocado. Não vi nenhuma declaração neste sentido, mas quem sabe pode ser alguma estratégia para deixar os adversários mais confiantes;
3. Errou o polimento, ou seja, acabou descansando demais (ou de menos) para esta competição. Se for isso, melhor ele e seu técnico acertarem na medida para o Pan Pacífico.

Descoberto.

Descoberto.

Não é nenhum desmérito perder para outro grande talento, mas realmente esperava mais dele. Agora as fichas podem estar migrando para McEvoy… Filho de psicóloga (será que é esta a vantagem?), ganhou muita musculatura no último ano (mas ainda está longe de seus concorrentes), deu a segunda marca australiana nos 200m livre (perdendo apenas de um tal de Ian Thorpe)… enfim, o garoto certamente vai dar o que falar.

 

 

Leia o texto completo

João de Lucca: o novo Borges ou Cielo?

Atualizado em 02/04/14

O seu debut olímpico não foi avassalador como seus precursores, sendo reserva do revezamento 4x100m livre em Londres. Gustavo Borges saiu com uma prata nos 100m livre enquanto, 16 anos mais tarde, Cesar Cielo conquistava o bronze na mesma prova antes do inédito ouro nos 50m livre.

Mas as façanhas de João de Lucca dentro do NCAA (o famoso campeonato universitário americano) trazem uma expectativa grande quanto ao seu desempenho na olimpíada caseira daqui a pouco mais de dois anos.

João-de-Lucca

De Lucca: dobradinha que só Borges e Biondi fizeram na história do NCAA.

Ele conseguiu o bi nas 200 jardas livre (100 jardas = 91,4 metros) e, assim como Gustavo Borges, último a alcançar a façanha quase 20 anos atrás, venceu as 100 jardas. O pódio viu ainda outro brasileiro na segunda posição, Marcelo Chireghini.

Em 2016 poderemos ter 3 campeões  do NCAA (Cielo, de Lucca e outro que surgir…) no mesmo revezemento 4x 100m livre, que já nos deu o bronze em Sydney e um honroso 4o em Atlanta, quando fomos o único pais a colocar dois na final da prova individual.

Nadar nas ultra-velozes piscinas de jardas é diferente da olímpica, sem dúvida, mas as estatísticas jogam a favor. Vários medalhistas olímpicos passaram pelo sistema e conseguiram uma carreira dourada.

Leia o texto completo

Efimova rápida, EUA levam o Duelo mais concorrido e os eventos para televisão

Os promotores estão apostando nesta época do ano para colocar alguns torneios diferentes. Aqui no Brasil, destaque para o Rei e Rainha do Mar, ainda melhor este ano pela nova dinâmica. Ficou atrativo para televisão e também para o publico, talvez até para os atletas, num raro caso de ganha-ganha quando se envolve uma cobertura ao vivo.

Já na Europa, A Copa Salnikov, homenagem ao grande fundista e hoje presidente da federação local, viu Efimova quase abaixar seu recorde mundial nos 50m peito (apenas 6 centésimos). A húngara de ferro Hosszu estava lá, depois de receber o prêmio de esportista do ano no seu pais, levando mais alguns milhares de dólares para casa.

20131222-193920.jpg

Glasgow (sede dos próximos Commonwealth Games) testou sua piscina num torneio que a Austrália, cansada de tomar paulada, não participou este ano do Duelo na Piscina. Disputaram então apenas as seleções americana e européia, ambas com alguns desfalques, mas o título acabou vindo apenas na ultima prova, o revezamento misto, onde os americanos precisaram de marcar novo recorde mundial para fechar bem 2013 e manter a hegemonia no Duelo.

São torneios que valem muito mais pela experiência e divulgação do esporte do que necessariamente pelos resultados, se bem que eles acabam vindo também. A terra das próximas olimpíadas perdeu o circuito de Copa do Mundo, que tenta se reinventar para atrair atenção dos melhores atletas e, ao mesmo tempo, registrou um boom das maratonas aquáticas.

20131222-194045.jpg

As medalhas conquistadas pelos nossos atletas em travessias mundo afora, somado com o fator democrático e apelo da mídia deram o ambiente propicio para o desenvolvimento fora das piscinas. Nelas, não basta apenas grandes atletas nas raias e formato interessante. Como foi demonstrado em Glasgow, sem a transmissão de uma BBC ou ESPN, por exemplo, perde-se muito na ativação.

Pior, como vimos neste domingo, nem uma final histórica do handebol feminino (com grande vitória brasileira!!!!) sensibilizou a televisão aberta a transmitir. Apesar dos últimos resultados apontarem para uma apresentação inédita, talvez ninguém tenha acredito ou sido convencido de que valia a pena investir para permitir ao grande publico acompanhar nossas atletas na Sérvia. Isso no pais olímpico e num esporte idem.

O desafio é grande, mas felizmente temos alguns grupos criativos que podem permitir mudar este cenário nos próximos anos.

Leia o texto completo

Fim dos brasileiros em Porto Alegre

Acabaram, neste fim de semana em Porto Alegre, os últimos campeonatos brasileiro. Pela manhã, o Troféu Daltely Guimarães, em homenagem ao ex-treinador do Flamengo, e pela tarde o Open.

O destaque foi Leonardo de Deus, que chegou próximo do recorde brasileiro dos 400m livre, e a gaúcha Graciele Hermann, que nadando em casa, também ameaçou o recorde brasileiro dos 50m livre.

20131221-221042.jpg

Os medalhistas em Londres não obtiveram os resultados sempre esperados por eles, ou seja, as vitórias. Thiago Pereira ajudou seu clube, enquanto Cesar Cielo amargou uma rara derrota nos 50m livre para um recuperado Bruno Fratus.

Entre os vários compromissos de Pereira e Cielo, tiveram no lançamento do Bolsa Pódium e também para o Prêmio Brasil Olímpico, onde o tri-campeão mundial buscava o título. Acabou não levando este, mas Poliana Okimoto defendeu a natação sendo considerada a melhor atleta de esportes olímpicos em 2013.

De volta a Porto Alegre, a recém-inaugurada piscina do Grêmio Náutico União viu a despedida de Tatiana Lemos, além de Ivi Monteiro.

Ao final, o Minas venceu ambas competições, enquanto os paulistas Pinheiros e Corinthians empatavam no ranking nacional.

Leia o texto completo