Jesus Casanova tagged posts

Natação em alta

Recentemente Missy Franklin apareceu entre os 10 atletas com maior potencial de retorno a patrocinadores (leia mais no Blog do Coach). Não entendo a metodologia, uma vez que a multi-campeã oferece com sua simpatia ímpar – e sorriso idem – realmente uma boa imagem para praticamente qualquer segmento. No entanto, ela optou por abrir mão dos contratos milionários para poder participar da experiência de ser uma nadadora universitária. Segundo o regulamento do NCAA, ela não pode ter nenhum patrocinador, sob pena de perder sua elegibilidade, ou seja, não competir nem treinar pela equipe da universidade da Califórnia.

malaysia_laureus_awards_yus04

Missy: poderosa, toda poderosa.

Na sua programação, deve perder milhões por mais um ano,  quando vai se dedicar exclusivamente para o Rio – as olimpíadas. Após esta pesquisa, ela terá uma ideia melhor dos milhões que está sacrificando em torno de uma carreira esportiva universitária.

Leia no Blog Esporte Fino porque ela foi considerada a melhor atleta de 2013.

Além dela, os nadadores aparecem no topo de outra pesquisa. Um site de relacionamento virtual (namoro) considerando o corpo de esportistas, o dos nadadores sobressaiu. Eles estão atrás dos jogadores de futebol e, no imaginário feminino, são os surfistas quem tem os melhores corpos.

Jesus-Casanova2

Casanova: medalhas na piscina, troféus fora.

Mais, o nadador Jesus Casanova venceu o Mister Venezuela e vai disputar o Mister World no próximo mês.

Por fim, a emocionante resposta de Beatriz Nantes a um crítico australiano. Vale a leitura do melhor esporte do mundo.

Leia o texto completo

Mare Nostrum em Canet: Felipe Lima com dois ouros

Felipe Lima saiu das duas competições em solo europeu com 4 medalhas (2 ouros, 1 prata e 1 bronze). Em Canet, ele venceu os 50 e 100m peito. Neste último, o favorito Cameron van den Burgh acabou não nadando a final, alegando gastrite. E se isso acontecer em Londres?

Felipe Lima, além das medalhas, um bônus financeiro. (crédito: Best Swimming)

As demais medalhas brasileiras vieram com Kaio Márcio (uma prata e um bronze nas provas de borboleta) , Henrique Rodrigues (prata nos 200m medley) e Glauber Silva (bronze nos 50m borboleta). No site da CBDA temos o balanço completo.

Mas os destaques na França foram os franceses. Os 3 recordes de campeonatos vieram com a/o Camille Muffat e Lacourt. Apesar do mesmo nome, apenas a primeira é mulher e fez marcas expressivas nos 200m livre (melhor tempo sem os maiôs tecnológicos) e nos 400m livre fez uma prova super-negativa. Quer dizer com isso que ela passou muito fraco os primeiros 200m para voltar com um tempo nos últimos 200m (1:58) que já seria uma boa marca.

Muffat, com motivos para sorrir.

Muffat, com motivos para sorrir.

O Camille homem bateu o recorde na prova não olímpica dos 50m costas, enquanto o brasileiro Daniel Ozerchowski (ainda no topo do ranking deste ano) ficou em quarto.

E agradeço ao leitor que apontou o erro para o circuito Mare Nostrum: Sette Colli não faz mais parte, mas sim Canet.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo