Categorias
Clipping Reportagem

Mentiras mancham mais importante obra sobre atletas olímpicos brasileiros

Publicado em 01/10/15, aqui

Durante 15 anos, a jornalista Katia Rubio se dedicou a mapear todos os atletas brasileiros que já disputaram Jogos Olímpicos. O resultado está no recém-lançado livro “Atletas Olímpicos Brasileiros” (Sesi-SP, 646 páginas, R$ 120). Para chegar ao resultado, a professora da USP, uma das mais importantes pesquisadoras sobre o esporte no país, teve de driblar um obstáculo inesperado: pessoas, atletas ou não, que mentiam, diziam ter disputado uma edição dos Jogos sem que isso jamais tenha acontecido.

Um mês atrás, na edição 58 do podcast Esporte Final, Katia revelou que ela e sua equipe não conseguiram driblar um destes obstáculos, uma pessoa que nunca esteve numa Olimpíada mentiu e conseguiu aparecer no livro. Nesta terça-feira, revelou-se de quem se trata: Christiane Paquelet, diretora cultural do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e ex-nadadora do Fluminense, disse que competiu em Munique-1972. Jamais aconteceu.

Questionado sobre a situação, Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB, disse que Christianeprecisa dar satisfações. “Entendemos [o comitê olímpico] que ela deve dar as explicações que entender que sejam cabíveis neste momento”, afirmou Nuzman ao blog “Bastidores F.C.”. Por envolver uma diretora do comitê, o caso é ainda mais grave. O advogado Alberto Murray Neto, figura importante do movimento olímpico brasileiro, pede a demissão de Paquelet.

Mas o caso da funcionária do COB aparentemente não foi isolado. O blog “Epichurus”, que tem a natação como tema principal, revelou mais um atleta que aparece no livro sem jamais ter disputado Jogos Olímpicos: José Claudio dos Santos, o Zequinha. O texto é assinado por Renato Cordani, que diz ser amigo do ex-nadador que disse a Katia e sua equipe que disputou o Pan-Americano de 1979, em San Juan, e a Olimpíada de Moscou, em 1980. “Meu conselho é que você [Zequinha] peça desculpas à Katia Rubio, tire seu nome do livro e siga a vida como eu, como um não-olímpico”, diz o autor do texto.

Nos comentários, dois grandes atletas da natação brasileira discordam sobre a polêmica. Rogério Romero, que disputou cinco edições dos Jogos Olímpicos de 1988 a 2004, critica a autora. Para o ex-nadador, o fato “demonstra que a pesquisa não foi tão rigorosa assim, maculando a credibilidade do livro”. E completa: “Afinal, são apenas estes [erros] ou os primeiros a serem descobertos?”, questiona. Djan Madruga, bronze justamente em Moscou-1980, isenta a autora: “Trata-se de uma historiadora a quem o esporte brasileiro deve muito pelos grandes serviços acadêmicos prestados”.

Os episódios – e outras fraudes que a equipe que realizou o livro descobriu antes da publicação – mostram o que já disse Katia Rubio: o valor e a importância de ser um atleta olímpico. No podcast EF, ela relatou, sem dizer o nome, a história de um boxeador que tentou se fazer passar por outro, que havia ido aos Jogos.

É extremamente complexo um trabalho com esta quantidade de dados, envolvendo um período de quase um século, já que o Brasil estreou em Olimpíadas em 1920. E “Atletas Olímpicos Brasileiros” deverá ser uma referência para qualquer um que queira conhecer a trajetória do País no evento. Mas será preciso esperar que a segunda edição seja lançada, para que uma nova peneira seja passada pelo conteúdo e eventualmente outros personagens que mentiram sejam descobertos e retirados da obra.

Atualização: Christiane Paquelet não é mais diretora cultural do COB. Em nota, o Comitê Olímpico Brasileiro afirma que sua ex-funcionária admitiu ter mentido e que se desculpou com Katia Rubio.

Seletiva alemã: dois recordes nacionais

Ano olímpico e sempre surgem novos nomes para tentar surpreender no tempo certo. Um alemão, inclusive, foi um dos surpreendidos em Olimpíadas, quando o favoritíssimo Michael Gross, recordista mundial dos 200m borboleta na ápoca, perdeu sua prova para o australiano Jon Sieben, em 1984. Depois, Gross, o Albatroz, voltaria para vencer os 100m borboleta e os 200m livre.

Nostalgia à parte, foi grande a evolução de Jan-Philip Glania nos últimos 2 anos, abaixando cerca de 5s até chegar ao recorde nacional nos 200m costas, com a segunda marca do ano.

Diebler, Lochte e Fesikov: prata nos 100m medley no Mundial de Dubai (25m). crédito: Zimbio

Mas os brasileiros, especialmente Thiago Pereira e Henrique Rodrigues, devem ficar de olho n’outro recorde alemão, este nos 200m medley feito por Markus Deibler em 1:57.82. O atleta agora tem a 3a marca do ano, atrás de Phelps e Thiago.

O recordista mundial Paul Biedermann vai estar nadando também os 400m livre em Londres. Outra recordista mundial, Britta Steffen vai ter que melhorar suas marcas se quiser vencer os 100m livre.

Vamos relembrar a inacreditável vitória de Jon Sieben, com recorde mundial dos 200m borboleta, em Los Angeles, 1984:


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero