UFT tagged posts

Ícone da natação Rogério Romero apresenta projeto para primeira piscina olímpica do Tocantins na UFT

Publicado em 23/02/15, aqui

Por Caroline Falcão

O esporte tocantinense pode comemorar mais esta conquista. Foi apresentado na tarde desta segunda-feira (23) pelo ícone da natação Rogério Romero o projeto da primeira piscina olímpica do estado, que será construída do Câmpus de Palmas da Universidade Federal do Tocantins (UFT). O único nadador brasileiro a participar de cinco olimpíadas e duas vezes campeão pan-americano, atualmente é consultor de negócios da Metodologia Gustavo Borges e da Myrtha Pools Brasil.

O projeto apresentado durante reunião na Reitoria é de uma piscina olímpica pré-fabricada em placas de aço inox, coberta por vinil e importada da Itália, que segundo Romero possui custo mais baixo e menor demanda de tempo para a instalação – cerca de seis meses – em comparação com outros modelos. “Os equipamentos e estrutura da piscina são todos formulados dentro dos padrões internacionais e utilizam uma tecnologia sustentável com reaproveitamento de 90% da água, além de economia em energia elétrica e produtos químicos”, explicou o atleta.

UFT2

O reitor da UFT, Márcio Silveira, enfatizou que a piscina vai ser um espaço de treinamento tanto para os estudantes quanto para os os atletas tocantinenses da  comunidade em geral de Palmas e região, e um incentivo a mais para prática desportiva. “A piscina será um atrativo para a realização de competições no circuito inter e intraestadual de natação, levando a criar novos atletas no estado”, ressaltou.

Os recursos para a construção da piscina são do Ministério dos Esportes e destinados às capitais brasileiras, o que justifica a escolha do Câmpus de Palmas. Quanto a valores, somente os equipamentos importados para a piscina terão um investimento de cerca de 1 milhão e 600 mil dólares. Já o valor da infraestrutura será orçado conforme processo de licitação das obras a ser realizado em breve.

UFT

 

A construção da piscina faz parte do Legado Social dos Jogos Olímpicos – Brasil 2016, que inclui também a uma pista de atletismo, cujo contrato para a construção foi assinado em dezembro de 2014, e uma quadra poliesportiva, cujo projeto deve ser lançado nos próximos meses.

Leia o texto completo

Primeira piscina olímpica do Tocantins será construída em Palmas

Publicado em 23/02/15, aqui

A primeira piscina olímpica do Tocantins será construída no Câmpus da Universidade Federal do Tocantins (UFT), em Palmas. Nesta segunda-feira (23), o reitor da universidade, Márcio Silveira e o diretor de obras civis da UFT, João Batista Teixeira se reuniram com o ex-nadador olímpico, Rogério Romero, consultor de uma empresa italiana que trabalha com estrutura de piscinas. Na oportunidade, Romero apresentou ao reitor um projeto de piscina olímpica para a universidade.

img_9588

Além da piscina, já está em construção uma pista de atletismo e conforme o reitor, o projeto faz parte de uma ação do Ministério do Esporte, que pretende implantar pistas de atletismo oficiais e piscinas olímpicas em todas as capitais brasileiras que ainda não têm essas instalações.

– É um ótimo projeto. Vamos correr para começar o quanto antes os trabalhos. Acredito que começamos ainda neste semestre. Temos a intenção de chegar em novembro ou dezembro com tudo concluído. Há 95% de chances da piscina ser construída em frente ao bloco da reitoria. A pista está sendo instalada na entrada da universidade – disse o reitor.

Silveira informou ainda que para esta estrutura olímpica foram disponibilizados R$ 13 milhões. R$ 4 milhões para piscina e R$ 9 milhões para a pista.

– É um dinheiro que vem do Ministério do Esporte para o esporte. É exclusivo para esta área. A estrutura será uma boa para os acadêmicos que cursam educação física em Miracema do Tocantins, pois estão próximos de Palmas e vão ser muito bem beneficiados com isto. É uma maneira também de incentivar o esporte olímpico dentro da universidade – afirmou.

 Conforme Romero, a estrutura é um legado importante e irá incentivar o estudante a participar de esportes olímpicos no estado.

img_9577

– É  uma piscina olímpica pré-fabricada em placas de aço inox, e é importada da Itália. É um ótimo projeto para o estado. O Tocantins poderá receber qualquer tipo de campeonato nacional – contou.

Carreira

O atleta é o único nadador brasileiro a participar de cinco Olimpíadas, foi campeão Pan-Americano em Havana (1991) e Santo Domingo (2003) e é recordista Mundial Master nos 200m costas em piscina olímpica (2m02s). Além disso, Romero tem 29 recordes sul-americanos e 41 recordes brasileiros estabelecidos em 27 anos de carreira esportiva. Foi 15 vezes campeão no Troféu Brasil de Nataçãa, hexacampeão sul-americano, finalista olímpico em Seul (1988), Barcelona (1992), Atlanta (1996) e Sydney (2000) e semi finalista em Atenas (2004) e tem participação em 10 Campeonatos Mundiais.

Leia o texto completo

A nova meta Phelps

O que o mehor atleta da história olímpica (em termos de ouro em uma edição) pode querer mais? Michael Phelps deve garantir sua quarta participação olímpica em Londres com objetivo distinto.

Em recentes entrevistas, já garantiu que deve pendurar o calção depois de Londres, ou seja, nem nós, nem a mãe dele, veremos sua atuação no Rio-2016. Quer mais é curtir a vida adoidado, por exemplo, viajar sem o compromisso de ficar na rotina hotel-piscina.

Phelps: o que mais, depois de oito douradas?

Depois de alcançar o ápice de sua carreira em Beijing, ele viu seu recorde e invencibilidade serem batidos pelo compatriota Ryan Locthe; perdeu provas em Mundial; dormiu em câmara tipo Michael Jackson, foi flagrado fumando o que não devia, dirigiu embrigado, se envolveu com uma Miss, viu seu patrocinador Speedo perder a preferência dos nadadores (além de lançar um polêmico, para não dizer feio, touca-óculos)… ufa! E ainda diz que só depois ele vai curtir a vida?

Michael "Ferris Bueller" Phelps.

Mas… e a nova meta? Bem, tem um recorde que ele ainda não tem e é bem possível: maior número de medalhas olímpicas, hoje com a ginasta russa Larissa Latynina (18). Phelps, com 16, teria chances reais de chegar ao menos em 20 e, aí sim, partir para o abraço.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo