Categoria Troféu José Finkel

Finkel 2013: Minas tricampeão (corrigido)

image

Femke, mas pode me chamar de Mrs. Relay.

Sim, sei que ainda não acabou, mas também sei que a diferença que o clube mineiro está dos paulistas Corinthians e Pinheiros dificilmente vai se reverter na derradeira etapa.

Até a quinta etapa, com quase 600 pontos à frente do anfitrião, 36 medalhas, sendo 16 douradas, os atletas mais eficientes (que mais pontuaram, por enquanto, porque Léo de Deus, com a muito provável vitoria amanhã nos 200 costas, deverá terminar com 125 pontos), o Minas já garante seu oitavo título, ainda longe dos 12 de Pinheiros e Flamengo.

E as 5 vitorias em 8 provas de hoje, sendo mais um pódio completo (400 livre), aumentaram ainda mais a vantagem.

Veja aqui uma matéria interessante para entender melhor a saída de Nicholas dos Santos.

Ontem nem escrevi porque os resultados foram os esperados. Hoje também, mas foi mais legal, com o empate nos 50 borboleta entre Daynara e Daniele; a saída animal do Nicholas dos Santos que garantiu ouro muito fácil e liderança provisória em melhor performance; o bronze do Thiago Pereira nos mesmos 50 borboleta; mas para mim, o destaque maior foi da holandesa Femke.

Primeiro ela ganhou os 200 medley e estava satisfeita com sua marca. Depois disputou a final dos 400m livre, onde saiu sem medalha, talvez se poupando para a melhor performance da competição no revezamento 4×100 livre, saindo exatos 2s atrás do então líder Pinheiros, para fechar quase 2s na frente do Sesi, segundo colocado. Tempo? 52.7! 53.2!! Depois de ter nadado duas provas e no friozinho de SP…

Leia o texto completo

Finkel 2013: o frio e as diversas reações

E o inverno paulista deu as caras no Finkel. Com temperatura variando de 8 a 10 graus, o terceiro dia de finais foi uma provação para os atletas, técnicos, dirigentes e parentes (leia-se: torcida).

Interessante notar que cada um reagiu de uma forma. Graciele Hermann, talvez acostumada com o frio do Sul, onde também treina em piscina descoberta, ganhou os 50m livre com marca melhor que em Barcelona (25.29 x 25.32). Muito consistente a gaúcha.

image

Quem nunca treinou com esta fumacinha vendo o sol nascer não sabe o que está perdendo.

Thiago e Joanna nadaram para ganhar os 400m medley e disseram que o tempo na água importava menos que a colocação, ainda mais com o tempo frio fora.

Poliana, que conhece muito bem a piscina do Corinthians por ter treinado um bom tempo nela, sentiu o frio e venceu os 800m livre com tempo mais alto que sua passagem do recorde brasileiro nos 1.500m, quando estava mais de 10 graus mais agradável a temperatura.

image

Já está tudo certo para o próximo Finkel ser na piscina de São Joaquim.

Nicholas dos Santos, maior vencedor dos 50m livre no campeonato, declarou que, com o frio, a musculatura fica mais rígida, o que dificulta uma boa performance.

Talvez quem tenha sentido mais o frio, por mais estranho que isso possa parecer, foram as holandesas que estão defendendo o Minas, pois não estão acostumadas com piscina ao ar livre e tinham a expectativa de que Brasil se resume ao calor do Rio. Se viram a neve de São Joaquim, vão voltar com uma percepção de quão grande e distinto é o nosso Brasil.

E hoje o frio ainda permanece, e a discussão sobre as condições para os atletas certamente voltará nas discussões de beira de piscina. Afinal, nesta época, apenas disputas no N e NE e nas escassas piscinas cobertas ou para quem der as melhores condições de trabalho – para técnicos, confederação e mídia? Os argumentos são acalorados…

20130815-100310.jpg

Thiago com sua touca-homenagem: pode Arnaldo?

Leia o texto completo

Finkel 2013: surpresas?

Matheus Louro Neto comemorou muito sua vitória nos 200m peito, em cima dos favoritos Felipe Lima (medalhista no Mundial nos 100m), Tales Cerdeira (semi-finalista em Londres) e Henrique Barbosa (recordista sul-americano).

image

Matheus Louro: em matéria de 2012, quando bateu recorde Júnior 2.

Marcos Macedo foi mais comedido ao bater o franco favorito Thiago Pereira (semi no Mundial) nos 100m borboleta. Mas estes ouros chegam a ser uma grande surpresa? Talvez mais para o primeiro que para o segundo. Matheus melhorou sua marca em 1,5s. Para sua idade, isso é natural que aconteça, ainda mais nas circunstâncias (nadando em casa).

image

Marco (no meio, ao lado do careca João de Lucca): já conta com medalha no Mundial Júnior.

Claro, a teoria é fácil, mas ele já teve sucesso também nas categorias, então sabia o caminho do pódio. Não se intimidou com a forte passagem dos adversários e fez uma prova de recuperação. Macedo é ainda mais experiente, e tinha um tempo meio segundo mais forte do ano passado. Ou seja, ele nem precisou melhorar para bater Thiago que, convenhamos, dificilmente faria marca melhor que Barcelona.

O outro destaque do dia veio com a gringa Julia Sebástian, detonando o recorde de campeonato dos 200m peito e aproxima do recorde Sul-americano (2:28.99 x 2:27.42).

image

Julia Sebástian: pela camisa não precisa dizer de onde.

 

Leia o texto completo

Finkel 2013: recorde para Poliana Okimoto

Começou ontem no parque aquático do Corinthians o Troféu José Finkel, antes de inverno, antes brasileiro de curta, agora… apenas Finkel, sem definição de tamanho de piscina ou um calendário mais ou menos fixo.

E o frio esperado para a época paulistana, adicionado ao fato do campeonato não servir para nenhuma seletiva, o custo de ficar uma semana na capital paulista, podem explicar o baixo número de atletas, sendo mais da metade do próprio estado.

image

Poliana, pontos importantes para seu clube.

Mas que foi, já pode presenciar o recorde brasileiro da brasileira mais medalhada em campeonatos mundiais, Poliana Okimoto, nos 1.500m livre. Ela já havia ficado muito próximo em outras ocasiões e talvez por estar mais relaxada acabou melhorando o recorde da baiana Nayara Ledoux, que já durava 12 anos.

Sim, não ser uma prova muito comum em campeonatos importantes levam uma certa estagnação na prova, que tem como recordista Sul-americana a chilena Kristel Kobrich que desde 2004 abaixou 4 vezes a marca continental, sendo a ultima agora em Barcelona, para conquistar, novamente, um honroso 4o. lugar.

Este foi o terceiro recorde brasileiro feminino do ano (Manuella Lyrio e o revezamento 4×100 m livre foram as outras duas marcas, ambas estabelecidas no Mundial de Barcelona), enquanto os homens permanecem sem nenhum recorde neste ano. Pior para eles. Será?

image

Dana Volmer e seu recorde nos 100m borboleta foi uma das pioneiras na nova era dos recordes mundiais.

Na verdade, se olharmos a tabela de recordes, percebemos que fora os 3 deste ano e os dois de Atená (Joanna e revezamento 4×200), percebemos que todos os demais são de 2009!  Sim, os nadadores também ainda lutam para abaixar 16 recordes dos tempos de trajes tecnológicos.

Não há que se preocupar – por enquanto. As mulheres parecem já ter encontrado a formula para nadar mais rápido sem o auxilio dos trajes, quebrando mais recordes que os homens depois de 2009.

Leia o texto completo

Seletiva Americana: Phelps classifica em ao menos 7, como Franklin.

A seletiva praticamente acabou. Hoje à tarde teremos as finais dos 50m livre feminino e os 1500m livre masculino, que acrescentam no máximo 4 atletas.

E o duelo em Omaha foi melhor para Phelps. O adversário de Lochte nos 200, 400m medley e nos 200m livre acabou se classificando nos 100 e 200m borboleta. Além das provas individuais, ele pode nadar os 3 revezamentos. Lochte bem que tentou garantir uma das duas vagas nos 100m borboleta (e, com isso, nadar o revezamento medley), ficou próximo, mas não o bastante – afinal, Phelps e Tyler McGill fizeram as duas melhores marcas do ano! Assim, a quarta melhor marca não vai competira nesta prova em Londres.

O nerd do lado de Phelps é McGill.

O revezamento 4×100m livre é a grande incógnita para ambos, pois eles não nadaram a prova, mas o regulamento americano permite que em Londres sejam convocados. Além disso, na coletiva, Bob Bowman deixou claro que o programa olímpico de Phelps pode mudar.

Já a nova versão feminina de Phelps, Melissa Franklin, classificou-se para os 100 e 200m livre e nos 100 e 200m costas, além dos 3 revezamentos.

Ledecky: pronta para colocar água no chá inglês.

E Rebecca Adligton terá uma adversária à altura nos 800m livre para tentar impedir o bi em casa. A menina (15 aninhos) Kathleen Ledecky fez a segunda marca do ano e pode virar o pesadelo de Adligton.

Errata (by Daniel Takata): o campeão olímpico em Sidney, o sueco Lars Frolander também vai para sua sexta olimpíada consecutiva.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo