Minha biblioteca

Fim de semana de um morno janeiro, decidi dar uma arrumada nos meus livros, muitos ainda nem iniciados. Notei então minha coleção sobre natação, boa parte adquirida durante os Jogos Olímpicos de Sydney. Na verdade, na aclimatação em Canberra. Num dos momentos de descontração, visitamos o centro da cidade e seu comércio e, pelo fato das olimpíadas estarem sendo realizadas lá, fiquei impressionado com o número de publicações relativas ao tema e, mais especificamente, em heróis olímpicos.

Abaixo, listo alguns que comprei na época:

Dopada ou não dopada, eis a questão.

Gold: A Triple Champions Story – Conta a história da irlandesa Michelle Smith. Quem? Pois é, esta ilustre desconhecida do público tem 3 (TRÊS) OUROS OLÍMPICOS. Mas além de desconhecida, ela teve suas vitórias sob suspeita de doping. O livro conta a versão desta história, desta campeã olímpica que chegou a nadar por clube brasileiro.

Talbot: The Don of Australian Swimming – Na época o subtítulo era Nothig but the best, talvez mais presunçoso que o atual. Discorre sobre a longeva carreira (mais de 50 anos) deste que em 2000 era o técnico principal da Austrália. A visão de um treinador sobre o que é preciso para chegar lá.

Minha capa é essa.

Dawn: One Hell of a Life – O nome diz muito de Dawn Fraser, tri-campeã olimpíca na mesma prova, os 100m livre (apenas ela é a húngara Krisztina Egerzegi alcançaram a façanha). Recordista mundial dos 100m livre por 15 anos (!), primeira a abaixar o minuto na prova, ela ficou ainda mais conhecida quando roubou a bandeira olímpica do palácio japonês. Foi presa e banida por 10 anos, mesmo com seus resultados. O que aconteceria com alguém com este currículo no Brasil?

Gold in the Water: The True Story of Ordinary Men and Their Extraordinary Dream of Olympic Glory – Como é o dia a dia de um time de nadadores que tem a ambição de ser o melhor entre os melhores? Talentosos, de características muito distintas, como os treinadores lidavam com isso?

Grant Hackett: seu recorde sobreviveu a era dos maiôs tecnológicos.

1500: The Story of Australia’s Race – A prova mais longa das piscinas sempre teve destaque dos australianos. Qual a fórmula? Eles tem mais fundistas porque tem bons resultados; ou tem bons resultados porque tem mais fundistas?

Tumble Turns: The Autobiography – Shane Gould foi precoce em tudo. Única recordista mundial dos 100m aos 1500m livre, aos 16 ganhou 3 ouros, uma prata e um bronze nas Olimpíadas de Munique e é isso. Aposentou! Foi virar dona de casa e sumiu do estrelato. Sua carreira de apenas 3 anos havia sido intensa o bastante. Nesta autobiografia ela conta como o sucesso olímpico mudou sua vida.

Ian Thorpe: the Biography – Tinham outros livros sobre o maior nadador australiano em 2000 (de fato, segundo o livro, maior atleta, batendo o tenista Pat Rafter), mas biografia sempre chama atenção. Esqueça o retorno de 2011, aqui fala sobre a cabeça de um jovem que foi campeão mundial aos 14 e a pressão de ganhar em casa, algo que os nadadores brasileiros vão ter que lidar daqui a 4 anos.

Laurie: você colocaria seu filho para treinar com este cara?

Five Ring Fever: Winning is Contagious – Já ouviu falar na expressão “no pain, no gain”? Pois bem, o técnico Laurie Lawrence e seus nadadores sabem bem o que é isso. Ele ficou famoso quando seus pupilos derrotaram os favoritíssimos Michael Gross e Matt Biondi. Quer saber mais como vencer é contagioso?

The Swim Coaching Bible (The Coaching Bible Series) – Deixei este por último de propósito. Este não comprei na Austrália (provavelmente já pela Internet). Dicas de técnicos de vários recordistas mundiais foram compiladas nesta “Bíblia” que terá seu segundo volume lançado este ano.

Técnicos: 20 de abril sai o volume II

Com as Olimpíadas daqui a 4 anos em solo brasileiro, já deveríamos ter mais livros sobre os que obtiveram sucesso e aprender com os acertos e erros deles. Mas livro sobre natação no Submarino? Apenas 42, a maior parte deles genérica. Enquanto isso uma Amazon revela 1.961 (filtrei em Sports & Outdoors). Não seria exagero dizer que quase todo treinador ou atleta de sucesso tem ao menos algumas páginas registrando o porquê.

Gustavo Gustavo Borges: aprenda com este medalhista olímpico, com os demais tá difícil.

Enquanto isso, se procuramos o que Manoel dos Santos fez para ser recordista mundial, temos que rever alguma de suas entrevistas que falam de um precursor brasileiro nos 100m livre. Livros sobre Ricardo Prado, Tetsuo Okamoto, Fernando Scherer – todos medalhista olímpicos – para quê? Gustavo Borges e Maria Lenk são os únicos que tem algo nas livrarias pois, por incrível  que pareça, nem toda experiência de Cesar Cielo atraiu as editoras…


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leave a reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.