Thiago Pereira tagged posts

No topo, Thiago avalia trajetória até recorde: ‘Não veio da noite para o dia’

Publicado em 19/07/15, aqui

Foram inúmeros treinos, competições, frustrações, abdicações, dores, cansaço, noites sem dormir. Foram também inúmeros desafios, vitórias, alegrias, medalhas, recordes, prêmios, conquistas. Nesses 12 anos desde sua estreia nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, em 2003, Thiago Pereira viveu de tudo. Altos e baixos. Muito mais altos do que baixos. Com 23 medalhas no bolso e o título de maior medalhista da história pan-americana, o nadador de 29 anos deixa Toronto neste domingo realizado.

O dia 18 de julho de 2015 ficará gravado na memória de Thiago Pereira por muitos e muitos anos. Foi nesta data que tornou-se o maior medalhista da história dos Jogos Pan-Americanos, no Centro Aquático de Toronto. Mesmo sem garantir nenhum ouro em provas individuais, já que a vitória nos 400 medley foi anulada pelos juízes, o nadador de 29 anos se despediu de Toronto com três ouros (4x100m livre, 4x100m medley e 4x200m livre), uma prata (200m medley) e um bronze (200m peito). Não há motivos para reclamar.

– Foi maravilhoso. Estou aproveitando também esse momento. Isso não veio da noite para o dia. Foi uma coisa que vim construindo ano a ano, a cada ciclo olímpico. E, finalmente, em 2015, eu conquistei um fato importante, um fato legal. Lógico que foi um Pan-Americano em que eu queria ter nadado mais rápido algumas provas em geral. Mas, infelizmente, não consegui. Independentemente disso, consegui meu grande objetivo, que era colocar nosso país entre os maiores recordistas em Jogos Pan-Americanos em medalhas.

A data simbólica fez o nadador brasileiro reviver o passado, relembrando sua trajetória nos últimos 12 anos durante as quatro participações até hoje. A primeira delas foi em 2003, quando tinha apenas 17 anos, em Santo Domingo. O menino surpreendeu ao conquistar uma prata e um bronze. No Rio 2007, Thiago fez a festa, com seis ouros, uma prata e um bronze. Na última edição dos Jogos, em Guadalajara 2011, ele repetiu o admirável desempenho do Rio de Janeiro. Novamente oito medalhas, sendo seis ouros, uma prata e um bronze.

– Voltando um pouco no meu passado, em 2003, a prova que eu achava que tinha mais chance de estar presente em Santo Domingo era a de 200m peito. E foi uma prova que fui desclassificado no primeiro dia, no Maria Lenk. Aquilo para mim foi: ‘Nossa, agora ferrou. Não vou estar presente nos Jogos Pan-Americanos”. Fui conquistar a prova justamente nos 200m medley, no último dia de competição, na última prova. Isso foi um pouquinho do que aconteceu aqui. Eu nunca imaginei que fosse estar aqui agora. A gente vive cada ciclo olímpico, de quatro em quatro anos, a nossa carreira é programada assim. Eu nunca imaginaria a tremenda importância daquele Pan de Santo Domingo, onde tivesse a oportunidade de trocar ideias e aprender com Gustavo Borges, Xuxa (Fernando Scherer) e Rogério Romero. Eu era um moleque de 17 anos e pensava se algum dia eu teria a oportunidade de estar ali também representando meu país.

Apesar de em alguns momentos falar em tom de despedida, Thiago Pereira garante que ainda não sabe dizer se Toronto foi a sua última edição dos Jogos Pan-Americanos. Só depois das Olimpíadas do Rio, em 2016, é que espera decidir se vai parar ou se seguirá mais adiante.

– Eu fiz sempre meu ciclo de quatro em quatro anos. Toda a minha carreira fiz sempre pensando nos próximos Jogos. Acho que muita coisa pode acontecer, são quatro anos. Não vou falar que vou estar, nem que não vou estar. Vou deixar rolar a cada ano.

Leia o texto completo

Mister Pan

Atletas são movidos a desafios, metas cada vez mais audaciosas. Quem diria que um dia, com a competição cada vez mais globalizada e sem o domínio absoluto da época de Spitz, alguém bateria o absurdo recorde de ouros olímpicos em uma edição?

Fato é, Michael Phelps mudou a lógica da especialização da natação e, com o sucesso dele, vieram Ryan Lochte, Kosuke Hagino e, para ficar apenas nestes famosos, a dama de ferro Katinka Hosszu. Esta, aliás, colocou toda teoria de recuperação demorada e resultados em poucas competições no ano abaixo.

E ai temos Thiago Pereira. No mesmo patamar mundial nas provas de medley (requisito quase básico para esta grande verstilidade), Mr Pan confirmou a expectativa e tornou-se o maior medalhista da história dos Jogos Pan-americanos. Assim como em 2012 com Phelps, desbancou a ginástica do topo (embora o cubano ainda permaneça com o recorde de ouros). Sem dúvida, um feito e tanto!

Mas o script não saiu como ele queria. Primeiro o drama de ser desclassificado na prova da sua medalha olímpica, os 400m medley. Depois perder os 200m peito e, por fim, o tri dos 200m medley. Não dá para reclamar (muito). Na primeira, concretiza a promessa de renovação nas provas de fundo, com o recorde mundial júnior de Brandonn Almeida. Segundo, o nado peito foi sua primeira grande frustração, lá atrás em Santo Domingo. Hoje, mas maduro, ele absorveu bem melhor. Por fim, como reclamar que perdeu do terceiro melhor tempo do mundo de Henrique Rodrigues, com a quarta marca do ano?

Thiago foi, Dona Rose.

Que venha Rio 2016!!

Piu-e-Thiago-TB03-435x650

PS1: Etiene, sou seu fã!

PS2: Parabéns à delegação como um todo!!

Leia o texto completo

Thiago Pereira político

Não, ele (ainda) não vai se lançar a cargo eletivo, embora talvez sua mãe já pense nesta possibilidade. Mas o medalhista olímpico Thiago Pereira continua surpreendendo. Após a medalha de prata nos 400 medley em Londres, o atleta já compõe duas importantes instâncias políticas do esporte. Primeiro fez parte da comissão da FINA (vice-presidente), e agora da recém criada Comissão de atletas do COB. E para aqueles que pensavam ser uma maneira de controlar suas críticas, ledo engano.

14069163

Thiago: conciliando treinos e competições com declarações fortes. (crédito: Satiro Sodré/SSPress)

Em dois comentários nestes últimos dias, por ocasião dos Jogos Sul-americanos, Thiago foi nas feridas ao criticar a ausência da televisão do país olímpico durante o campeonato e ainda mostrou-se preocupado com o esporte brasileiro na ressaca olímpica.

Na primeira cutucada, defendeu mais visibilidade aos atletas (e consequentemente de seus patrocinadores), afinal fica difícil de torcer sem conhecer a modalidade esportiva e quem está competindo.

Neste ponto é importante ressaltar que a imprensa verde amarela avançou, mas ainda enfrenta o grande problema do monopólio, onde um VT de um jogo regional tem mais espaço que as demais modalidades.

A outra dedada é sobre o futuro pós-2016. Não é surpresa para ninguém que sim, os investimentos vão cair – só não sabemos quanto. Mas o que todos anseiam é que parte do legado seja sustentável. Fica difícil de fechar algumas equações.

Como manter os diversos centros esportivos que foram (serão) inaugurados sem o financiamento público? Será que a cultura esportiva vai pegar? Teremos mais gente praticando esporte, seja lá em qual nível? Nossos treinadores, árbitros, dirigentes, pesquisadores, jornalistas e arquitetos (sempre esquecidos nesta conta) vão estar com experiência suficiente? Ou vamos ter que aguardar a próxima olimpíada em solo brasileiro?

Vai Thiago!

Leia o texto completo

Finkel 2013: o frio e as diversas reações

E o inverno paulista deu as caras no Finkel. Com temperatura variando de 8 a 10 graus, o terceiro dia de finais foi uma provação para os atletas, técnicos, dirigentes e parentes (leia-se: torcida).

Interessante notar que cada um reagiu de uma forma. Graciele Hermann, talvez acostumada com o frio do Sul, onde também treina em piscina descoberta, ganhou os 50m livre com marca melhor que em Barcelona (25.29 x 25.32). Muito consistente a gaúcha.

image

Quem nunca treinou com esta fumacinha vendo o sol nascer não sabe o que está perdendo.

Thiago e Joanna nadaram para ganhar os 400m medley e disseram que o tempo na água importava menos que a colocação, ainda mais com o tempo frio fora.

Poliana, que conhece muito bem a piscina do Corinthians por ter treinado um bom tempo nela, sentiu o frio e venceu os 800m livre com tempo mais alto que sua passagem do recorde brasileiro nos 1.500m, quando estava mais de 10 graus mais agradável a temperatura.

image

Já está tudo certo para o próximo Finkel ser na piscina de São Joaquim.

Nicholas dos Santos, maior vencedor dos 50m livre no campeonato, declarou que, com o frio, a musculatura fica mais rígida, o que dificulta uma boa performance.

Talvez quem tenha sentido mais o frio, por mais estranho que isso possa parecer, foram as holandesas que estão defendendo o Minas, pois não estão acostumadas com piscina ao ar livre e tinham a expectativa de que Brasil se resume ao calor do Rio. Se viram a neve de São Joaquim, vão voltar com uma percepção de quão grande e distinto é o nosso Brasil.

E hoje o frio ainda permanece, e a discussão sobre as condições para os atletas certamente voltará nas discussões de beira de piscina. Afinal, nesta época, apenas disputas no N e NE e nas escassas piscinas cobertas ou para quem der as melhores condições de trabalho – para técnicos, confederação e mídia? Os argumentos são acalorados…

20130815-100310.jpg

Thiago com sua touca-homenagem: pode Arnaldo?

Leia o texto completo

BCN2013 finais 8: mais um bronze para Thiago na melhor campanha brasileira

Para quem nem queria nadar a prova… Sem censura, os 400m medley não perdoam quem não está bem ou pronto para a prova (vide Phelps em Londres). Mas Thiago Pereira estava e utilizou a mesma tática que deu a prata olímpica ano passado: em vez de passar muito forte, uma prova mais equilibrada, que garantiu seu segundo bronze (4:09.48).

650x375_1344728

Pereira encarou a nova geração dos 400 medley: Seto e Kalisz.

A russa Efimova mostrou que nem a lituana Meilutyte é imbatível, batendo a recordista mundial na final dos 50m peito.

Mas quem terminou a competição com mais ouro foi Sun Yang e a americana Missy Franklin. O chinês parece estar escondendo algo muito especial para outro momento, apenas nadou junto por 1.400m para então distanciar quando quis e como quis. Para quem fez o melhor parcial de todos os tempos no revezamento 4x200m, o risco de ter alguém com velocidade maior que ele é mínimo. A americana tornou-se a primeira mulher a sair de um Mundial com 6 ouros. Até o Rio 2016 ela deve melhorar sua velocidade para competir com as demais nos 100m livre…

4864244-3x2-700x467

Missy: ajudando as demais a ganhar medalhas.

O destaque negativo do dia foi a desclassificação dos EUA no revezamento 4x100m medley e o positivo foi a medalha de Mireia Belmonte, dando ao público um momento especial.

553001_528929180507531_1401136091_n

Fundistas são os melhores do Mundial com Ledecky e Yang: juntos 6 ouros, 2 recordes mundias.

Leia o texto completo

BCN2013 finais 6: quero ser Phelps

A aposentadoria de Michael Phelps deixou um vácuo nas piscinas. Seus recordes pareciam destinados a perdurar muito tempo. Pareciam. Os Estados Unidos tem o dom de “criar” novos ídolos – há uma necessidade para a cultura americana. E a risonha Missy Franklin e Ryan “jeah” Lochte tem, além de ótimos resultados na piscina, aquelas histórias que são replicadas pelas agências de notícias e ajudam, assim como Phelps desejava, a divulgar a natação.

ryan-lochte-nirvana-album-cover-baby-for-espn-magazine-03

Lochte e sua homenagem ao Nirvana.

O já veterano Lochte e a ainda novata Franklin tiveram um dia cheio. O primeiro foi tricampeão (quarta não consecutiva) dos 200m costas (prova que os americanos dominam nos últimos 9 Mundiais), voltou logo depois para pegar final nos 100 borboleta e finalizou o dia com mais uma vitória, ajudando o revezamento 4x200m livre americano.

Missy, já com 4 ouros na conta, encarou uma prova que (ainda) não é sua especialidade e amargou a pior colocação: quarto (achei que ela não tinha outra cara sem rir). Os 100m livre feminino foram para a Austrália de Cate Campbell, assim como a versão masculina. Mas a americana voltou menos de meia hora depois e mostrou que o quinto ouro amanhã nos 200m costas vai ser difícil de tirar dela.

DSC0658-640x405

Efimova tem o ouro, mas Pedersen leva a placa do recorde.

A final dos 200m peito clamou novamente pela pergunta: o que é melhor, ouro ou recorde mundial? Rikke Pedersen bateu o recorde ontem e, embora ninguém tenha achado uma completa surpresa, acabou com a prata hoje, atrás da russa Yulia Efimova.

Outro destaque do dia foi o parcial do fundista Sun Yang, que garantiu o bronze da China no revezamento 4x200m livre. Aí ocorre outra pergunta: porque ele não quis disputar esta prova individualmente? Seria o primeiro a ter chance de ganhar os 200, 400, 800 e 1500m livre!

Screen-Shot-2013-08-02-at-4.04.53-PM-1-570x480

Manadou: o francês campeão olímpico entra forte para impedir o tri do brasileiro.

Para os brasileiros restou a presença de Cesar Cielo em busca do que ele mesmo colocou ser uma tarefa muito difícil do tri nos 50m livre. Afinal, para entrar na finalíssima amanhã foi mais rápido que na olimpíada, tem 3 campeões olímpicos na prova e outros dois ouros em provas distintas…

Thiago Pereira ainda garantiu um presença importante fora da água, substituindo Gustavo Borges na Vice-presidência da Comissão de Atletas da FINA.

 

Leia o texto completo

BCN 2013 finais 5: Thiago quebra tabu e cai mais um recorde mundial

Apenas no seu quinto mundial Thiago Pereira conseguiu uma medalha e por apenas um centésimo que ela não foi de prata. Os 3 do pódio olímpico dos 400m medley (Ryan Lochte e Kosuke Hagino) se reencontraram, invertendo as posições do brasileiro com o japonês. E esta medalha já transforma Barcelona na melhor campanha brazuca, mas aguardamos por mais!

543776_527313930669056_2107198683_n

Thiago Pereira: pode morder que é de verdade.

Ou ao menos bons tempos e colocações, como o 4o. de Etiene Medeiros nos 50m costas, que apesar de ter uma troca de última hora dos seus óculos, deu sua melhor marca e melhor posição na história da natação feminina brasileira.

Marcelo Chierighini esteve em uma disputa que pela primeira vez viu 4 atletas (sem trajes) nadando na casa dos 47s. Ficou numa honrosa 6a. colocação na prova que deu o bicampeonato para James Magnussen. Mas apesar de uma temporada perfeita nesta prova, os americanos venderam caro, o que valorizou ainda mais sua vitória, após mais uma decepção para seu currículo no revezamento 4x100m livre. Quem assustou a todos foi o missil russo Vlad Morozov, com a passagem mais rápida da história (21.94) vai ser páreo duro para um tri inédito nos 50m livre de Cesar Cielo.

DSC0590-640x393

Magnussen joga a responsa agora para sua compatriota Cate Campbell ganhar amanhã os 100m livre também.

O dia foi completo com mais um recorde mundial nas semifinais dos 200m peito, com Rikke Pedersen (2:19.11) tornando-se a primeira recordista mundial dinamarquesa desde 1956! E também mais uma dourada para Missy Franklin – não vai perder as contas: são 4. Ah, e o mesmo revezamento que deu ouro para a americana, deu prata para… Alicia Coutts!

972314_527165840683865_1610568303_n

Pedersen: combinando cor da unha com elástico dos óculos (O Yakult veio de brinde).

 

 

Leia o texto completo

BCN2013 finais 4: mais finais para o Brasil

João Gomes Junior e Leo de Deus nadaram as finais de hoje, ficando em 5o. e 8o. nos 50m peito e 200m borboleta. O primeiro ficou a 16 centésimos do bronze, enquanto o segundo sentiu o final.

Nas semi, Thiago Pereira, Marcelo Chierighini e Etiene Medeiros fizeram 3 das 4 finais possíveis para amanhã. Apenas Henrique Rodrigues não conseguiu passar nos 200m medley. Os 3 tem chances de medalhas!

nat_MarceloChierighini1_SatiroSodre_SSPress_div_625

Chierighini: amanhã volta para manter a tradição brasileira na prova nobre da natação.

Chad le Clos ficou conhecido por bater Phelps ano passado nas olimpíadas, justamente em uma prova onde o americano não conhecia a derrota a mmmmmuito tempo, os 200m borboleta. Hoje o sul-africano entrou como favorito, mas acaba sendo até um mau exemplo para os nadadores mais jovens, por sua técnica e pela sua displicência ao nadar olhando para os dois lados. Chega a ser até uma falta de respeito com os adversários, pois dá impressão que ele está apenas controlando para chegar na frente e que é muito superior aos demais. Suas atitudes e entrevistas não demonstram isso, mas quero ver a dificuldade de um técnico querer corrigir seu nadador que está olhando para o lado agora…

dt.common.streams.StreamServer.cls

Meninos: não tentem isso no seu treino.

Chega a ser até uma falta de respeito com os adversários, pois dá impressão que ele está apenas controlando para chegar na frente e que é muito superior aos demais. Opa, eu já escrevi isso antes… Mas Sun Yang realmente “cozinhou” o restante nos 800m livre, para só distanciar nos últimos 100m.

Missy Franklin desistiu de oito medalhas (saiu dos 50m costas), mas teve um aproveitamento de 100% até o momento, com sua vitória nos 200m livre.

 

Leia o texto completo

Open da França: ouro para Cielo e Thiago

Os dois melhores nadadores brasileiros participaram do Aberto da França (não procure a figurinha para traduzir para o inglês, eles não estão preocupados com isso). Cielo conseguiu o ouro nos 50 borbo (23.15), prova que vai defender o tri no Mundial, e ficou atrás apenas do campeão olímpico (de Londres, claro) Florent Manaudou, nos 50 livre. Já Thiago Pereira nadou várias provas e acabou levando os 200 medley (1:58.92), numa boa disputa com Laszlo Czeh.

1044231_623805194305467_1785164939_n

As medalhas são legais, mas todo mundo quer mesmo é a de Barcelona.

Dois que se destacaram pelo domínio em 2013 em suas provas foram James Magnussen, nos 100 livre (47.67), e Camille Muffat, nos 200 livre (1:56.45).

 

Leia o texto completo

Algoz de Phelps assina com agência

Ele bateu o super campeão Michael Phelps nas Olimpíadas em uma de suas melhores provas. Mas a natação em seu país (que tem verde e amarelo) não é muito divulgada, reconhecida, valorizada (não necessariamente nesta ordem) e não teve o retorno que merecia/esperava. Pelo contrário, acabou até tendo um revés no mesmo ano olímpico.

As semelhanças entre Chad le Clos e Thiago Pereira acabam aqui. O primeiro foi ouro, o segundo prata, em Londres 2012. O brasileiro ficou sem clube, enquanto o sul-africano não tinha apoio para ir ao Mundial.

1004439_675932532422707_1249117663_n

Os rivais vão se encontrar apenas em eventos agora. (Facebook)

Agora, le Clos assina com uma agência inglesa para tentar melhorar seus ativos. Além dele, a companhia tem em seu portfólio outra nadadora, a inglesa Fran Halsall, uma das esperanças de medalhas no ano passado que acabou decepcionando. Tom Daley, saltador que também era um dos favoritos e foi amplamente divulgado, ficou com o bronze e também faz parte dos que são representados pela Professional Sports Group.

Leia o texto completo