Vinte oito anos depois: outra prata que vale prata

A foto do dia: Thiago foi, Phelps não. (AFP)

Vinte e oito anos depois, lá estava eu, vibrando com mais uma prata nos 400m medley. Mas, enquanto em Los Angeles a medalha parecia quase que uma obrigação para o ex-recordista mundial Ricardo Prado, 2012 viu uma superação difícil de se prever:  Thiago batendo Michael (alguém fez muita grana  apostando que Phelps não levaria medalha).  Ao contrário também de 1984, a tecnologia estava a meu favor, ainda bem, pois tanto as eliminatórias quanto as finais “vi” pelo Twitter! Posso garantir, a emoção é diferente, mas senti falta da boa e velha televisão.

Sun Yang: atenção, não deem o zoom.

Já os 400m livre viram o chinês quase bater o recorde mundial, enquanto o sul-coreano teve que recorrer para o tapetão para poder garantir sua prata. Nesta hora é inevitável repetir o comentário “se fosse no Rio, mas em Londres?”  Erros acontecem… Vida longa para Sun Yang, que abaixou o recorde olímpico de Ian Thorpe.

Sua compatriota fez o que ele não conseguiu, bateu o recorde mundial. Shiwen Ye fechou os últimos 50m mais forte que Ryan Lochte!

Shiwen Ye: ela está feliz. (AP)

Finalizando as disputas, prova disputada no revezamento 4×100m livre feminino, com a melhor para as australianas, mesmo com o forte final da Holanda. O bronze americano deu à Natalie Coughlin (que nadou pela manhã) o título de nadadora mais medalhada da história: 12, com outras duas americanas.

O destaque do dia foram os asiáticos, saindo com 5 das 9 possíveis.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Categorias