Felipe Lima tagged posts

Quebrando barreiras

Sem dúvidas, hoje foi um dia muito especial para a natação brasileira. Ouvir o hino nacional por 3 vezes em uma mesma tarde durante as cerimônias de um campeonato mundial, definitivamente é para comemorar, tanto que até o JN mencionou o feito. Digo mencionou porque uma vaga para as quartas daquele esporte que é o mais discutido neste país teria mais espaço, com reportagem ao vivo nos caríssimos links diretos.

No portal UOL, pouco mais de 6 horas da façanha, não havia mais nenhuma chamada sobre as medalhas brasileiras em Doha, Qatar. As manchetes “esportivas” iam de: Federer vai se mudar para uma nova casa até Dirigente tenta vender nome do Itaquerão.

1522896_951330521562738_6290699819404656608_o

Quarteto fantástico II. (Crédito Satiro Sodré/SSPRESS)

Felipe Lima (3 ouros), Nicholas dos Santos (2 ouros), Cesar Cielo, Guilherme Guido, Etiene Medeiros (quase outro recorde mundial!!) e Larissa Oliveira tem sim que comemorar.

Agora… pessoalmente o que mais me impressionou foram os resultados de ontem pela espanhola Mireia Belmonte. Além de derreter a Dama de Ferro, a húngara Katinka Hosszu, foi a primeira a abaixar das barreiras de 4m20s nos 400m medley e dos 2m nos 200 borboleta. Animal!

Impressionante estes tempos. Fico imaginando daqui a dois anos no Rio de Janeiro…

1417653797_extras_mosaico_noticia_1_g_0

Enquanto isso, no país que teve as Olimpíadas há 22 anos…

 

Leia o texto completo

Barcelona 2013 finais 2: recorde mundial, bi de Cielo e bronze de Felipe

O destaque do dia foi, certamente, a lituana Ruta Meylutite e o primeiro recorde mundial deste campeonato. Com seu 1:04.35 na semi dos 100 m peito, ela abaixou um décimo da marca da americana Jessica Hardy, que também avançou para as finais. Como a chegada dela foi muito ruim, podemos até esperar uma marca ainda mais impressionante amanhã. O recorde veio com mais uma ativação da organização, com uma bandeira reforçando para a plateia que eles tinham acabado de presenciar o recorde mundial.

Screen-Shot-2013-07-29-at-2.31.46-PM-1

Cielo e sua plateia. (crédito: Victor Puig)

Mas o Brasil também tem muito a comemorar. Primeiro veio o bronze de Felipe Lima. Numa grande disputa, ele chegou melhor e conquistou a medalha com 59.65 (o quinto chegou apenas 5 centésimos atrás). Depois Cielo e Nicholas entraram para tentar uma dobradinha, mas enquanto o primeiro conquistava um inédito bicampeonato (23:01), o segundo amargou a 4a. colocação. Detalhe, os tempos da semi dariam o ouro e prata para os brasileiros, mas como na final o que importa é chegar na frente…

nat_felipe-lima_satirosodre.jpg_95

Felipe, rápido também na comemoração.

Nas demais finais, a sueca Sarah Sjostrom deixou para trás a recordista mundial e campeão olímpica nos 100m borboleta, Dana Vollmer, para (re)conquistar o ouro. Quatro anos atrás ela surpreendeu ao vencer e bater o recorde mundial. Agora, passada a era dos maiôs tecnológicos, ela provou que não era apenas o maiô que nadava rápido.

DSC0671-640x353

Pódio dos 200m medley: sorrisos por motivos distintos.

Já a húngura Katinka Hosszu mostrou maturidade, ao abandonar a semi dos 100m costas (que melhorou ainda mais sua marca pessoal e poderia sair com outra medalha amanhã), para triunfar nos 200m medley. Alicia Coutts conquistou sua 3a. prata na competição (será uma versão feminina de Anders Holmertz??), enquanto Mireia Belmonte levava o público local ao delírio com seu bronze.

Leia o texto completo

Barcelona 2013: finais 1

Destaques brasileiros:

  1. A veloz dupla Cesar Cielo e Nicholas Santos avança para a final dos 50m borboleta com os melhores tempos;
  2. Felipe Lima, ao abaixar por duas vezes sua marca e, pela primeira vez, do minuto nos 100m peito e, com isso, pegar uma final;
  3. O recorde sul-americano das meninas no 4x100m livre.

Destaques gerais:

Screen-Shot-2013-07-28-at-2.17.08-PM-1-640x348

A ruiva Katie Ledecky absoluta na prova. (crédito: Victor Puig)

  1. O choro com a vitória fácil nos 400m livre de Sun Yang com 3:41.59;
  2. A alegria e vitória fácil nos 400m livre de Katie Ledecky, com o melhor tempo sem trajes tecnológicos e primeiro ouro para os EUA na prova em 22 anos!
  3. Os revezamentos 4x100m livre masculino, pela emoção; e o feminino, ao dar a 18a. medalha em mundiais para Natalie Coughlin.
usa1

Mulherada americana foi bem nas primeiras finais.

Menção honrosa:
Andreina Pinto com seu recorde continental nos 400m livre. Com 4:06.02 a venezuelana abaixa sua própria marca de Londres 2012 em mais de 2s.

 

Leia o texto completo

Mare Nostrum: a vida esportiva continua

Apesar do monopólio (monótono?) do futebol da Copa das Confederações da FIFA, os eventos esportivos não param no mundo – e no Mundo Aquático não é diferente.

datPhoto1_519f314c799a1_N

Canet: metade da cidade pode ser vista nesta foto.

No Circuito Mare Nostrum, realizado na Europa, Barcelona é a bola da vez (foi proposital). E no primeiro dia, duas medalhas para brasileiros: Joanna Maranhão, bronze nos 400m medley (com um consistente 4:45.89) e Felipe Lima, prata nos 100m peito (com um consistente 1:00.82).

Barcelona, que vai sediar o Mundial dentro de um mês, foi a segunda etapa, que termina neste fim de semana na pequena Canet-en-Roussillon. No intervalo de uma semana, três competições com premiação = presença garantida da húngara Katinka Hosszu, que venceu os 400m medley e pegou prata nos 200m livre logo depois (mas ficou com o recorde da competição estabelecido pelas eliminatórias).

Mas o destaque maior ficou por conta da jovem lituana campeã olímpica Ruta Meylutite. Assim como em Mônaco, estabeleceu nova marca continental, desta vez nos 50m peito, sendo a primeira a abaixar dos 30s sem os trajes tecnológicos, com 29.96.

img-0012

Festa ao final de cada etapa premia os melhores.

 

 

 

Leia o texto completo

Troféu Maria Lenk: equipe para Mundial aumenta

Os brasileiros são muito velozes nos 50m, não apenas no livre, mas em todos os estilos. Isso pode ser comprovado pela grande quantidade de nadadores entre os top 10 do ranking mundial. Daniel Orzechowski fez um rápido 24.68, logo de manhã, para garantir a vaga e também o segundo tempo do ano na prova. Já Guilherme Guido não teve a mesma sorte e por dois centésimos não conseguiu o índice de 24.81.

100 peito

João Gomes, entre felipe Lima e Henrique Barbosa, que tiraram sua vaga olímpica ano passado. (crédito: Satiro Sodré)

No feminino, já garantida para Barcelona, Etiene Medeiros estabeleceu nova marca do campeonato com 27.88, chegando a mais de 1s das demais.

Nos 100m peito, domínio do Pinheiros na prova com Beatriz Travalon (1:09.32) e João Gomes Jr (1:00.21), este dois centésimos na frente de Felipe Lima, do Minas. Ambos conquistaram a vaga para o Mundial.

Nos 200m borboleta, facilidade para Joanna Maranhão (2:10.27) enquanto Leonardo de Deus travou um combate com Kaio Márcio… até os 150m, quando o primeiro se distanciou e fez o índice com 1:56.85.

joanna

Joanna: bronze no Pan, brigando apenas com ela mesmo nos 200m borbo. (Crédito: Satiro Sodré)

Na última prova do dia, os 800m livre, domínio do Minas com Juan Pereyra 7:59.47 e Marcos Oliveira (8:02.85), dando mais pontos importantes para o clube mineiro que continua na dianteira com 1.314 pontos. Boa disputa pelo segundo, entre Pinheiros (993) e Corinthians (989).

 

Leia o texto completo

Vinte oito anos depois: outra prata que vale prata

A foto do dia: Thiago foi, Phelps não. (AFP)

Vinte e oito anos depois, lá estava eu, vibrando com mais uma prata nos 400m medley. Mas, enquanto em Los Angeles a medalha parecia quase que uma obrigação para o ex-recordista mundial Ricardo Prado, 2012 viu uma superação difícil de se prever:  Thiago batendo Michael (alguém fez muita grana  apostando que Phelps não levaria medalha).  Ao contrário também de 1984, a tecnologia estava a meu favor, ainda bem, pois tanto as eliminatórias quanto as finais “vi” pelo Twitter! Posso garantir, a emoção é diferente, mas senti falta da boa e velha televisão.

Sun Yang: atenção, não deem o zoom.

Já os 400m livre viram o chinês quase bater o recorde mundial, enquanto o sul-coreano teve que recorrer para o tapetão para poder garantir sua prata. Nesta hora é inevitável repetir o comentário “se fosse no Rio, mas em Londres?”  Erros acontecem… Vida longa para Sun Yang, que abaixou o recorde olímpico de Ian Thorpe.

Sua compatriota fez o que ele não conseguiu, bateu o recorde mundial. Shiwen Ye fechou os últimos 50m mais forte que Ryan Lochte!

Shiwen Ye: ela está feliz. (AP)

Finalizando as disputas, prova disputada no revezamento 4×100m livre feminino, com a melhor para as australianas, mesmo com o forte final da Holanda. O bronze americano deu à Natalie Coughlin (que nadou pela manhã) o título de nadadora mais medalhada da história: 12, com outras duas americanas.

O destaque do dia foram os asiáticos, saindo com 5 das 9 possíveis.


Este texto foi originalmente publicado no site do iG (colunistas.ig.com.br/rogerioromero

Leia o texto completo